segunda-feira, 23 de julho de 2018

Coluna do blog


Como Brasília viu a candidatura de Ciro Gomes
O centro-esquerdista Ciro Gomes prometeu nesta sexta-feira (20/7) combater os privilégios e a corrupção, depois de ter sua candidatura oficializada pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT).  O político de 60 anos, que tenta pela terceira vez chegar ao Palácio do Planalto, foi nomeado por cerca de 500 delegados do PDT e representantes de movimentos sociais reunidos em Brasília sob gritos de "Brasil presente, Ciro presidente!". Ciro insistiu na necessidade de "voltar a crescer, de se reindustrializar, de reduzir as desigualdades para acabar com a vergonha da pobreza extrema". Também ressaltou que o Brasil está com uma situação fiscal "absolutamente deplorável", sinalizando para os mercados temerosos de suas propostas "populistas". Ciro, que já foi ministro da Fazenda em 1994 e ministro da Integração Nacional no governo Lula, prometeu combater "com dureza e intransigência" a corrupção, que disse ser um "câncer" que quebra a confiança do povo na democracia. Falou, ainda, em enfrentar a "cultura do ódio", às vésperas de uma eleição presidencial caracterizada pela incerteza, na qual se destaca a figura do candidato de extrema direita Jair Bolsonaro, nostálgico da ditadura militar e favorável à flexibilização do controle das armas para combater a violência. Lula lidera as pesquisas eleitorais, apesar de cumprir desde abril uma pena de 12 anos e um mês de prisão por corrupção. É provável que sua candidatura seja impugnada pela justiça eleitoral. Na ausência de Lula, Bolsonaro lidera as pesquisas de intenções de voto, com 17%, seguido por Marina Silva (13%) e de Ciro Gomes (8%). "É a primeira vez que você tem disputa nos dois blocos hegemônicos desde 1994. No bloco da centro esquerda você tem uma relativa crise do PT, que abriu espaço para Ciro Gomes, e no da centro direita surge um fenômeno como o (Jair) Bolsonaro, que traz para a agenda uma discussão de extrema direita", explica à AFP Ricardo Sennes, diretor da consultora Prospectiva.

A frase:"Todos terão que fazer muitas concessões. Alguns partidos esperam até o final para ter certeza de quem oferece mais".  Ricardo Sennes, diretor da consultora Prospectiva sobre espera por coligações partidárias.



Mas não aprendem...(Nota da foto)
A 2ª Promotoria de Justiça Auxiliar de Sobral ingressou com uma ação civil pública por improbidade administrativa contra o vereador Francisco Ivonilton Camilo Cavalcante, conhecido como “Camilo Motos”. Segundo a Promotoria de Justiça, o legislador recolhia parte do salário de seus assessores parlamentares em benefício próprio.

Novíssimo
O Partido Novo resolveu que, no Ceará, só terá candidato a deputado federal. Sua convenção será realizada dia 29 , domingo que vem.

Além disso...
PSL e PDC igualmente farão suas convenções no doingo, dia 29. Essas duas agremiações estarão em salas distintas da Assembleia do Estado.

Aliás...
PSL e PDC resolveram que se coligarão para as disputas de vagas para deputados federais e estaduais no Ceará.

Cada um na sua
O PDC comandado por Ely Aguair será fiel ao velho parceiro...Ei Ei EI Eimael terá o voto de Ely pra presidente, no primeiro turno. No segundo. só Deus sabe.

O outro...
O PSL é Bolsonaro desde novinho. Será o grande eleitor do defensor que comunista deixe de ser comedor de criancinha pra ser o comido.

Fortes
Anunciam-se pelo menos tres mulheres fortes a caminho da Assembleia do Ceará em outubro que vem. Uma já tem cadeira lá,Aderlania, outras prometem grandes chegadas.

Lia e Érika
Da Zona Norte do Ceará viria Lia Gomes, irmã de Ciro , Cid e Ivo. Da região metropolitana de Fortaleza promete a  chegada de Érika Amorim,1a.dama da Caucaia.

Cadê Patrícia?
Indagou-se que Domingos Filho não apostaria na mulher Patrícia pra chegar com ele à Assembleia. O caminho é outro:Patrícia quer voltar pra Prefeitura de Tauá.

Cidadania
Raimundo Gomes de Matos,deputado federal,, recebeu a cidadania honorária do Juazeiro do Norte, no fim de semana. Ta completo já  é cidadão do   Crato.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Editorial do Estadão

Linha vermelha O ministro da Educação, Abraham Weintraub, tem de ser demitido. Sua errática gestão já seria razão suficiente, ma...