sábado, 1 de julho de 2017

Quem nasceu primeiro; o ovo oou a galinha?

Sob pressão, presidente da CCJ diz que não troca 'independência' por cargos

Em vias de escolher relator de denúncia em comissão, Rodrigo Pacheco divulga nota para reiterar que não agirá sob influência

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - Em nota divulgada na tarde desta sexta-feira, 30, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), afirmou que não se deixará influenciar por possíveis ofertas de cargos em troca da escolha de um relator governista para a denúncia contra o presidente Michel Temer. Incomodado com a informação de que o governo estaria disposto a nomear o próximo presidente de Furnas para agradá-lo, o peemedebista reafirmou que não agirá sob influência dos aliados do Palácio do Planalto.
"Por mim, esse fato não acontecerá e dispenso qualquer iniciativa nesse sentido. Nada me fará arredar da condução serena e independente da CCJ da Câmara, sem interferências", disse em texto.
Pacheco afirmou ter recebido com "estranheza" a informação de que poderia ser atendido pelo Executivo com o cargo em Furnas. O peemedebista afirma que a função já é ocupada "há muito tempo" pelo PMDB mineiro.
Otimismo. Embora haja uma pressão de governistas para influenciar a escolha do relator na CCJ, uma fonte palaciana adotou o discurso de que a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) é "extremamente fraca", inepta e de natureza política, o suficiente para ser derrubada com "tranquilidade" na comissão e no plenário, com um número "seguro e amplo".

Entre os líderes governistas na Câmara, a avaliação também é de que hoje o governo venceria a batalha na CCJ e no plenário. Os líderes dizem que a decisão de fatiar as denúncias geram um desgaste ao governo, o que é interpretado como um posicionamento político e não técnico-jurídico da PGR. Neste contexto, a tendência é de que os parlamentares considerem que a classe política está sob ataque, por isso podem vetar a denúncia "para se defender".
No PTB, por exemplo, o líder Jovair Arantes (GO) disse que não haverá fechamento de questão sobre o tema e que mais de 80% da bancada é contra a denúncia. Jovair considera que a ação é um "ataque sistemático à política". "A denúncia é inconsistente e, no meu entendimento, é abusiva", afirmou. Jovair também utiliza o argumento de que não é bom para a estabilidade política e econômica a saída de Temer. "O País não merece mais uma ruptura neste momento", considerou.
O líder do PR, deputado José Rocha (BA), diz estar seguro de que o governo tem maioria para impedir o avanço da denúncia. Em sua avaliação, a denúncia é inconsistente e os parlamentares vão considerar que falta pouco mais de um ano para a eleição presidencial, portanto não seria o caso de afastar mais um presidente. "Você acha que o País tem condições de suportar duas eleições?", observou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A notícia de setembro

Enfim, uma boa Com o país dividido, a praga da droga assumindo uma nação paralela e o ubniverso político legitimando a corrupção, sópode...