sexta-feira, 7 de julho de 2017

Opinião

Por quê sofisticar?
 
Alguns analistas da Ciência Econômica complicam a interpretação dos fatos. Como se não bastasse a interdependência entre a política e a economia, o uso do “economês” – como do “juridiquês” -  deixa a pessoa não especialista confusa e insegura. Por exemplo: - por que usar “coeteris paribus” ao invés de “tudo mais constante”? ou “policy makers” no lugar de “formuladores de políticas”?  Será que é para demonstrar saber? Recentemente, ouvindo um debate sobre Balanço de Pagamentos(BP) fiquei perplexo. O que foi exposto, acredito, não era para os ouvintes compreender. Diante destas observações, tenta-se mostrar a seguir de forma um pouco mais clara e resumida o que é um “BP”. É o registro das transações entre os residentes e não residentes de um país durante um determinado período de tempo. Compõe-se de dois grupos de contas: a)Contas operacionais, que dizem respeito aos fatos geradores do recebimento ou do pagamento de recursos externos; e b) Contas de caixa, que registram o movimento dos meios de pagamento.  A estrutura do “BP” é a seguinte: a) Transações correntes, compreendendo a balança comercial(exportações e importações), a balança de serviços(juros, seguros, fretes, etc.) e os donativos; e b) Movimento de Capitais, abrangendo capitais autônomos (investimentos, amortizações, empréstimos, etc.) e capitais compensatórios. O surgimento de capitais compensatórios indica uma situação de desequilíbrio. Já não é fácil entender, porém não precisa sofisticar e sim simplificar, para mostrar conhecimento do assunto. Como   disse a Doutora Zilda Arns: “nunca se deve complicar o que pode ser feito de maneira simples”.
Gonzaga Mota
Professor aposentado da UFC
                                             Ex Governador do Ceará  e meu amigo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dura lex sede latex.

Dallagnol virou procurador contra o que diz a lei. E ficou na base da “teoria do fato consumado” O agora coordenador da Força Taref...