sexta-feira, 14 de julho de 2017

CCJ perde a compostura e...

CCJ aprova relatório contrário à admissibilidade da denúncia contra Temer

Em uma nova votação imediatamente posterior à que derrotou o parecer do deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) que recomendava o prosseguimento da denúncia de corrupção contra Michel Temer, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) votou nesta quinta-feira (13) um novo parecer que pediu o arquivamento do processo. 
O parecer alternativo, de autoria do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), foi aceito por 41 votos a favor e 24 votos contra, além de uma abstenção. O texto contesta a acusação de que Temer teria cometido o crime de corrupção passiva. A CCJ escolheu um novo relator, leu e votou o novo parecer contra a denúncia em pouco mais de uma hora.
Deputados da base contabilizam votos na CCJ para discutir o parecer favorável à denúncia
Deputados da base contabilizam votos na CCJ para discutir o parecer favorável à denúncia
O novo parecer pela não admissibilidade da denúncia apresentada pela Procuradoria geral da República (PGR) foi lido pelo deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que já tinha apresentado um voto em separado e foi designado como relator. Em seu voto, o deputado questiona a validade técnica das provas apresentadas pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
Para Abi-Ackel, ainda “imperam as dúvidas numerosas” sobre a acusação, que segundo ele não conseguiu comprovar os ilícitos citados. O deputado cita, por exemplo, que não foi possível reunir elementos que comprovem a ocorrência da intermediação entre o ex-assessor Rodrigo Rocha Loures e o presidente Michel Temer, para beneficiar interesses dos empresários da JBS junto ao Conselho de Administração e Defesa Econômica (Cade).
O parecer de Abi-Ackel conclui que a denúncia não atende as exigências do Código de Processo Penal brasileiro por não comprovar a autoria dos ilícitos apresentados. O deputado ressaltou a responsabilidade da Câmara ao analisar um processo dessa natureza, dado “o risco das consequências políticas e econômicas” que podem decorrer de uma imputação de crime a um presidente da República.
O deputado Silvio Torres (PSDB-SP) disse, durante a sessão, que o teor do relatório apresentado por Abi-Ackel não reflete a opinião da maioria da bancada do partido.
Após a aprovação do parecer na CCJ, ele terá que ser votado no plenário da Câmara, o que ainda não há data para ocorrer. Para que a denúncia possa ter prosseguimento são necessários os votos favoráveis de 342 deputados. Caso contrário, ela será arquivada.
>> Votação de denúncia pode ficar para agosto, diz Padilha
>> CCJ aprova relatório contrário à admissibilidade da denúncia contra Temer
>> Bate-boca e confusão marcam primeira sessão de processo contra Temer na CCJ
>> Disputa na CCJ fica acirrada após troca-troca de Temer
>> "Meu partido vendeu a minha vaga na CCJ", critica deputado do PR
>> Zveiter critica troca de membros na CCJ e diz que decisão será no plenário
>> Deputado afirma que há parlamentares "Temerofóbicos" e chama relator de "burro"
>> Zveiter ataca ofensas nazistas: "Especialmente indigna quando dirigida a judeu"
>> Grupo invade sessão da CCJ gritando: "Fora, Temer!"
A denúncia
A denúncia foi elaborada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e encaminhada pelo STF à Câmara, a qual cabe autorizar ou não se o presidente pode ser investigado pela Corte. A primeira etapa da análise é feita pela CCJ, que agora deve designar um novo relator que faça um parecer com mérito divergente em relação ao de Zveiter.
Desde o início da tramitação do processo, 11 deputados já apresentaram votos em separado, dos quais seis são contrários à aceitação da denúncia. Por isso, o presidente da comissão, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), pode designar um dos autores desses pareceres ou escolher um novo relator para acolher a posição majoritária dos deputados contra a admissibilidade da denúncia.
Entre os 18 partidos que tem representação na CCJ, nove encaminharam voto favorável à denúncia: PT, PODEMOS, PSB, PDT, PCdoB, PPS, PHS, PSOL e Rede. A liderança da minoria também orientou a bancada em favor da denúncia.
Os sete partidos contrários à autorização de prosseguimento da denúncia foram: PMDB, PP, PR, PSD, PTB, SD, e PSC, acompanhados da orientação das lideranças da maioria e do governo. O PSDB e o PV liberaram a bancada para que os deputados votassem independentemente das orientações das bancadas.
Independente da decisão da CCJ, o parecer que for aprovado pelo colegiado deve ser ainda analisado pelo plenário da Câmara. Uma vez no plenário, a denúncia precisa ter o apoio de pelo menos 342 votos para ter prosseguimento na Justiça ou para ser interrompida.
Ainda durante a fase de debates, deputados da oposição já esperavam a derrota e lamentaram o que consideram como “resultado artificial”, em referência às trocas de membros da CCJ que foram feitas pela base governista. Desde que a semana em que a denúncia chegou à Câmara, 25 dos 66 integrantes da comissão foram substituídos.
O relator Zveiter também se manifestou previamente de forma crítica sobre o resultado negativo. Os governistas comemoram e consideram que a decisão de não aceitar a denúncia, que ainda deve ser referendada pelo plenário, pode trazer estabilidade ao país.
>> Rodrigo Janot denuncia Michel Temer por crime de corrupção passiva
>> Veja a denúncia na íntegra
Com Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Capa do jornal OEstado Ce