quinta-feira, 13 de julho de 2017

Bom dia

Condenação acontece ante 'patológica euforia dos que odeiam Lula', diz Ciro



Diego Padgurschi/Folhapress
SAO PAULO, SP, BRASIL 22-03-2017: Ciro Gomes (PDT) posa para retrato na redacao do jornal Folha de S. Paulo. (Diego Padgurschi /Folhapress - PODER) ***EXCLUSIVO***
Ciro Gomes (PDT) posa para retrato na redação do jornal "Folha de S.Paulo"


Em março, o duas vezes presidenciável e atual pré-candidato do PDT ao Palácio do Planalto, Ciro Gomes, disse à Folha não ter "a menor vontade de ser candidato se o Lula for" –e que uma candidatura do petista seria um "desserviço ao Brasil".
Em nota divulgada por sua assessoria de imprensa nesta quarta-feira (12), dia da decisão de Sergio Moro contra Lula, o ex-governador do Ceará e ex-ministro do petista contemporizou: "A condenação acontece ante uma grande revolta dos simpatizantes de Lula, uma estranhíssima e patológica euforia dos que o odeiam e ante uma grande perplexidade da maioria do povo que não consegue entender uma sentença sem uma prova cabal e simples, que todos possamos entender como base de uma pena justa".
Ciro afirmou torcer para que o ex-presidente prove sua inocência. Mas não o inocenta de ser "o grande responsável político pelo momento terrível pelo qual passa o país".
"Foi traído, mas a ele, e somente ele, devemos a imposição de um corrupto notório na linha de sucessão do Brasil, o senhor Michel Temer", disse.
Leia a nota na íntegra
O Brasil vive um momento muito grave e muito triste. O ódio sectário praticamente domina o debate político. Ontem, grande maioria do Senado Federal aprovou uma selvageria que nos remete ao século XIX, quando o trabalho não tinha a dignificação que a modernidade lhe atribuiu, não sem o sacrifício de muitos que até morreram para que mulheres, crianças e trabalhadores em geral fossem tratados com a dignidade devida e não como engrenagens da selva do dinheiro a qualquer preço.
Hoje, espero que seja só uma desagradável coincidência, numa sentença de 216 páginas, condena-se o ex-presidente mais popular da história moderna do Brasil a uma pena de prisão de nove anos e meio, por corrupção.
Ninguém está acima da lei e imune ao alcance da justiça, mas esta condenação acontece ante uma grande revolta dos simpatizantes de Lula, uma estranhíssima e patológica euforia dos que o odeiam e ante uma grande perplexidade da maioria do povo que não consegue entender uma sentença sem uma prova cabal e simples, que todos possamos entender como base de uma pena justa.
Considero Lula o grande responsável político pelo momento terrível pelo qual passa o país. Foi traído, mas a ele, e somente ele, devemos a imposição de um corrupto notório na linha de sucessão do Brasil, o senhor Michel Temer.
Mas isto não significa que ele não tenha direito ao devido processo legal. E é a isto que devemos nos ater. Que ele recorra às instâncias superiores, que preserve a franquia democrática do devido processo legal e que - torço –tenha, enfim, provada sua inocência.
Volto a ponderar: o ódio é o pior conselheiro num momento em que nosso povo amarga uma crise tão grave!
Ciro Gomes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DURISTAS

Os duridanos de Jeri Achados do Comandante Genário.