segunda-feira, 29 de maio de 2017

Francisco defende rabalhador

Em Gênova, Papa critica demissões e mercado de trabalho atual

 Francisco defendeu que trabalho é o centro da democracia

"Quando a economia passa para as mãos de especuladores, tudo se estraga. Vira uma economia sem rosto, sem identidade", afirmou Francisco em uma fábrica da empresa Ilva em Cornigliano. 
"Um bom empresário não é especulador", disse. "Quem pensa que resolve os problemas da empresa demitindo as pessoas também não é um bom empresário". 
De acordo com Francisco, o mercado atual está em "risco" porque não compreende o significado do trabalho. "Às vezes, pensam que uma pessoa trabalha bem somente porque recebe salários. Isso, na verdade, é um grave desestímulo porque nega a dignidade e a honra que o trabalho proporciona", comentou. 
"Em torno do trabalho, todo o pacto social se edifica. Quando não se trabalha, ou se trabalha mal, pouco ou muito, é a democracia que entra em crise", criticou. A reunião com os trabalhadores de Gênova foi o primeiro compromisso do Papa na cidade. Francisco também visitou a catedral local e se encontrou com imigrantes e detentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Evangelho

Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017. Segunda Semana do Advento Santo do dia: São Dâmaso I, Papa, Beata Maria do Pilar Villalonga Villa...