segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

É do Governo...larga o pau.

Em meio à crise, Temer gasta R$ 42 mil em jantares com base aliada

Reprodução
Reprodução
Em meio a uma crise econômica e à realização de um ajuste fiscal, o presidente Michel Temer gastou R$ 41,9 mil para a realização de dois jantares para a base aliada do governo federal no Congresso Nacional.
Os encontros, promovidos no Palácio da Alvorada em outubro e em novembro, tiveram como objetivo mobilizar os parlamentares governistas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal a aprovarem a proposta do teto de gastos públicos.
Segundo o governo federal, o jantar para os deputados federais teve custo de R$ 35.363,91 aos cofres públicos, enquanto a reunião com os senadores teve um gasto total de R$ 6.543,19.
No cardápio, de acordo com relatos de presentes, foram servidos vinho argentino, salmão, carne e risoto. Além dos deputados e senadores, participaram dos encontros ministros e mulheres de parlamentares.
A proposta do teto de gastos foi aprovada com folga em dois turnos na Câmara dos Deputados e em um no Senado Federal. A votação do segundo turno está programada para a próxima terça-feira (13).
Na noite de segunda-feira (5), contudo, o primeiro vice-presidente Jorge Viana (PT-AC) avisou ao PMDB que não se comprometerá a manter a votação da medida se o plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) confirmar o afastamento da presidência da Casa do senador Renan Calheiros (PMDB-AL).
Para evitar que a análise da proposta seja adiada, o presidente pretende entrar em contato nesta terça-feira (6) com Viana.
Segundo auxiliares e assessores presidenciais, Temer está disposto a negociar iniciativas de interesse dos partidos de oposição caso Viana se comprometa a manter o cronograma de votação da proposta.
O entorno do presidente acha pouco provável que Renan consiga reverter a decisão no plenário da Suprema Corte diante da pressão popular e do pedido feito pela Procuradoria-Geral da República.
A proposta é a principal bandeira do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que passa por um processo de desgaste na base aliada, incomodada com a falta de sinais de fôlego da economia.
Fonte: Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A luz

Ainda bem que tem o sol.