sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Calero gravou até o Interino

Polícia Federal informa ao Ministério da Justiça que Calero gravou Temer, Geddel e Padilha

Segundo o blog do jornalista Kennedy Alencar, um auxiliar de Padilha também foi gravado. Diálogos constam do depoimento que a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, encaminhou nesta quinta-feira (24) à Procuradoria-Geral da República
por Congresso em Foco · Publicado em 24/11/2016 23:25
Divulgação
Depois de ser acolhido no governo, Calero deixa ministério com acusações à cúpula do Planalto
A Polícia Federal encaminhou ao Ministério da Justiça a informação de que o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero deixou em poder do órgão gravações de conversas que teve com o presidente Michel Temer e dois de seus principais ministros – Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e Eliseu Padilha (Casa Civil). Segundo o blog do jornalista Kennedy Alencar, um auxiliar de Padilha também foi gravado. Os diálogos constam do depoimento que a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, encaminhou nesta quinta-feira (24) à Procuradoria-Geral da República (PGR). Nele, Calero acusa Geddel e Temer de pressioná-lo para liberar a obra de um edifício em Salvador (BA), em uma área tombada como patrimônio histórico. No prédio, Geddel possui um apartamento de luxo. No depoimento, Calero diz que o presidente Temer o “enquadrou” no sentido de encontrar uma “saída” para a liberação do empreendimento. Com os desdobramentos do caso Geddel, observa Kennedy, a crise adentra o gabinete presidencial. O titular da Secretaria de Governo queria a liberação do prédio de 30 andares em que uma unidade custa entre R$ 2,6 milhões e R$ 4,7 milhões, como este site mostrou no último sábado (19).
Leia mais:
Conheça o luxuoso prédio pivô da saída de Calero e da denúncia contra Geddel
No depoimento, Calero detalha a mencionada pressão de Temer e a “irritação” de Geddel. “[O depoente declara] que na quinta, 17, o depoente foi convocado pelo presidente Michel Temer a comparecer no Palácio do Planalto; que nesta reunião o presidente disse ao depoente que a decisão do Iphan havia criado ‘dificuldades operacionais’ em seu gabinete, posto que o ministro Geddel encontrava-se bastante irritado; que então o presidente disse ao depoente para que construísse uma saída para que o processo fosse encaminhado à AGU [Advocacia-Geral da União], porque a ministra Grace Mendonça teria uma solução”, diz o ex-ministro, em transcrição encaminhada ao Supremo, em seguida encaminhada por Cármen à PGR.
Na sequência do depoimento, Calero diz que o presidente encarava com naturalidade o fato de Geddel pressioná-lo para obter proveito particular. O jornal lembra que Geddel é o principal articulador político na gestão Temer e é amigo do peeemedebista há mais de duas décadas. “Que, no final da conversa, o presidente disse ao depoente ‘que a política tinha dessas coisas, esse tipo de pressão’”, registra a PF em outro trecho do depoimento. O ex-ministro da Cultura diz ainda ter se sentido “decepcionado” com a postura de Temer, por tê-lo “enquadrado”, de maneira que “sua única saída foi apresentar seu pedido de demissão”.
Depois das novas revelações, a oposição ao governo Temer já começou a articular um pedido de impeachment contra o peemedebista. Para Lindbergh Farias (PT-RJ), que iniciou as movimentações com a colega Gleisi Hoffmann (PT-PR), “é bizarro um presidente da República utilizar seu cargo para defender interesses de um ministro”.
Questão de hábito
Ainda segundo Kennedy, interlocutores de Temer ouviram que o presidente sugeriu o envio do caso à Advocacia-Geral da União (AGU) depois de Calero ter dito que não tomaria providências. Nesse sentido, avalia o jornalista, “quando há embates entre ministérios e órgãos do governo a respeito de uma política pública ou de uma autorização federal, é natural que se peça um posicionamento à AGU”.
“Aliados de Temer defenderam o presidente, sustentando que ele não pressionou Calero e não tem o hábito de agir assim”, finaliza o jornalista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário