sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Coluna do blog




A hora do espiribol
Calma gente; muita calma nesta hora. Neste domingo se encerram os jogos olímpicos da Rio 16. Agosto de festas, emoções, medalhas, frustrações, constatações, críticas, aplausos, vaias como as dadas ao Interino na abertura e que correu do encerramento como o cão correu na cruz e da água benta. Falar de mal de jogos olímpicos é de uma burrice sem par. Reclamar que o Brasil não podia sediar olimpíadas, pior ainda. O que foi construído ficou. O que foi limpo, ficou. O que foi mudado nos transportes do Rio, mudou. A mentalidade brasileira, pelo menos em meia dúzia de cabeças mudou. O que não mudou? Muita coisa, como a cobertura de imprensa que cada vez ficou mais  desastradamente torcedora, tiete, incompetente, apesar de falar inglês, frances, espanhol, alemão, russo e etc. e coisa e tal. Mas não era nada disso que queria falar. Tava aqui só enchendo lingüiça pra chegar ao cerne (cerne é lindo e sempre quis usar essa palavra num texto) da questão. Por acaso os amigos viram...calma gente! Eu sei que tem que dizer os amigos e as amigas. Pois bem, Cês viram quantas modalidades de esportes foram disputadas? Tinha esporte de que jamais ouvi falar e outros que vieram na minha infância. Peteca, por exemplo, virou badmintol. Achei fofo. Carimba, outro exemplo; virou handbol, o esporte pra quem não deu pra nada em voleibol, nem  basquete nem futebol de salão. Virou jogador de handbol. Aí ce pergunta; onde que esse maluco quer chegar? Olhe, o diretor deste jornal, jornalista Ricardo Palhano, tem um sonho que, pelo correr do tempo está mais perto do que nunca de se realizar; a coisa de uns 40 anos ele foi campeão de “espiribol” no Colégio São João. De lá pra cá o que mais o toca pra frente é fazer do espiribol um esporte olímpico e disputar uma medalha. Viva o espiribol!!!

A frase: “Acima de tudo, a delação tem que ser um ato espontâneo. Não cabe prender uma pessoa para fragilizá-la para obter a delação. A colaboração, na busca da verdade real, deve ser espontânea, uma colaboração daquele que cometeu um crime e se arrependeu dele. Delação premiada não deixa de ser um ato de covardia ”. Marco Aurélio Melo, Ministro do Supremo Tribunal Federal.


Li por aí..(Nota da foto)
Uma empresa de austríacos se instalou no município de Jaguaruana. Ótimo. Está produzindo acerola em Jaguaruana. Ótimo. Está gerando emprego em Jaguaruana. Muito bem. Pra se garantir a empresa que atende por Meri Pobo, cava poços profundos pra atender a demanda de suas plantinhas. Se tiver autorização do CNPM, ótimo. E mais: anuncia a construção de um aquaduto pra levar água do Rio Jaguaribe pra fazenda. Êpa!

Apanha e não aprende
O lamento com relação à saída de Audic Mota da Assembleia também ocorre no âmbito da bancada federal. Mauro Benevides pisado e espezinhado no partido, continua fidelizado.

Sonho da reversão
O deputado Mauro Benevides avaliou que o STF julgou pendência que acabou atingindo o PMDB e adiantou que a área jurídica do partido estudará o caso para tentar algum tipo de reversão de quadro.

Amigas do peito
Começou em São Gonçalo do Amarante, aqui perto,  mobilização para reforçar a importância do aleitamento materno. A campanha, tocada pela Prefeitura, será realizada  o mês inteiro; o “Agosto Dourado”.

Do Chaval a Cococi
O Sindicato do Hotéis de Fortaleza, a partir de agora, terá ingerência no Ceará inteiro. Carta sindical estendendo a influência da entidade que terá também entre filiados pousadas e flats.

Conflito de interesses
Pelo menos uma chapa concorrente à Prefeitura de Fortaleza corre o risco de ter ruídos de comunicação, se por acaso fosse eleita. Por conflito de interesses.

Senão vejamos...
O militar Wágner, canta de galo que tem que fazer segurança pública, que tá tudo esculhambado e tal. Já o vice dele, o correto Gaudêncio Lucena, vive do ramo de segurança privada, particular. Um prego não entra noutro.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Capa do jornal OEstado Ce