segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Ameaças cumpridas; mataram policial candidato a vereador

Policial civil que concorria a vereador é executado

Cláudio Nogueira foi emboscado e morto com sete tiros. Ele foi vereador por quatro mandatos
Lucas Barbosa 
Nogueira chegou a ser afastado durante seu último mandato
Policial civil licenciado foi morto a tiros no distrito de Inharé, em Senador Pompeu, no Sertão Central. O inspetor José Cláudio Nogueira, de 51 anos, estava com a esposa em seu carro, quando, ao reduzir a velocidade em lombada, na CE-166, foi surpreendido por dois homens em uma moto por volta das 22h45min de sábado, 20. Cláudio Nogueira é o 19º policial morto neste ano no Estado — o terceiro em agosto.

Filiado ao PSB, Cláudio Nogueira era candidato a vereador de Quixeramobim, também no Sertão Central, onde morava. Ele havia exercido quatro mandatos de vereador — o último entre 2009 e 2012, quando chegou a ser vice-presidente da Câmara.

Ele foi levado ao Hospital e Maternidade Santa Izabel, no centro de Senador Pompeu, mas morreu minutos depois de dar entrada. Foram contabilizadas sete perfurações a bala, concentradas no tórax. Os criminosos fugiram sem levar nada, nem mesmo a pistola do policial e a quantia em dinheiro, que estava na bolsa da mulher.

Até a noite de ontem, nenhum suspeito havia sido preso. Um policial da Delegacia Regional de Senador Pompeu, que não quis se identificar, informou que os primeiros procedimentos estavam sendo realizados e não há, até o momento, linha de investigação sobre o que motivou o crime.

Equipes das delegacias municipais de Quixeramobim e Mombaça foram a Senador Pompeu auxiliar o caso. Antes de se licenciar da Polícia, Cláudio Nogueira era lotado em Senador Pompeu e já havia trabalhado em diversas delegacias do Sertão Central em quase 30 anos de profissão.

Polêmicas
Conhecido como Homem do Chapéu, José Cláudio Nogueira tinha como plataforma eleitoral a segurança pública. Em 2010, chegou a ter o mandato de vereador cassado por improbidade administrativa e quebra de decoro parlamentar.

O Ministério Público o havia denunciado por soltura irregular de dois presos. No entanto, ele foi reconduzido à Câmara, em maio de 2012, por decisão da 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Ceará. Ele argumentou que a comissão que o julgara foi indicada pelo então presidente da Câmara, em vez do sorteio protocolar. Nas eleições de 2012, Nogueira recebeu 668 votos e ficou na nona suplência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Capa do jornal OEstado Ce