sábado, 2 de julho de 2016

Opinião

Tipos de inflação
A literatura econômica brasileira, talvez em virtude da convivência da economia nacional com o problema, tem sido relativamente pródiga no que diz respeito a determinadas situações inflacionárias(custo, demanda, setorial, importada, reprimida, corretiva, etc). Vale comentar, resumidamente, as chamadas inflação reprimida e corretiva. A primeira pode ser entendida quando fatores artificiais no mercado, como tabelamentos ou subsídios, força a fixação de preços abaixo daqueles que seriam praticados, considerando-se a interação da oferta e da procura. Fenômenos dessa natureza podem ser observados quando o Governo pretendeu, em última análise, ampliar seus benefícios à população, via redução de preços, mesmo ocorrendo o risco de favorecer o surgimento de efeitos colaterais negativos, tais como o desestímulo à produção, em consequência de um tabelamento inadequado, ou então a execução da atividade em níveis de baixa produtividade, decorrente de uma política inadequada de subsídios. Por sua vez, a inflação corretiva apareceu por ocasião da eliminação desses fatores artificiais, pois eliminando-os, os preços rapidamente se estabeleceram num nível superior  ao vigente no mercado. Saliente-se que no Brasil  a inflação reprimida aconteceu quando da aplicação dos discutíveis mecanismos(tabelamentos e subsídios) aos serviços de utilidade pública, com destaque para energia, transportes e comunicações. As tarifas ficaram abaixo dos níveis de mercado(inflação reprimida). Ao se eliminar os mencionados mecanismos, os preços subiram(inflação corretiva).
Gonzaga Mota
Professor aposentado da UFC-Ex Governador do Ceará e meu amigo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Evangelho

Sexta-feira, 13 de Outubro de 2017. Santo do dia:  São Venâncio de Tours, abade Cor litúrgica: verde Evangelho do dia: São Lucas 11, 15...