quarta-feira, 13 de julho de 2016

Comparação

É só analisar o contexto político nacional, avaliar a postura da Igreja e ler esses profetas para constatar a incrível semelhança da nossa realidade com a de Jerusalém! O que nos leva a conclamar: Profetas da atualidade, saiam das suas "zonas eclesiástica de conforto", despojem-se de seus interesses pessoais políticos e financeiros, arrependam-se do pecado da omissão diante da corrupção ativa ou passiva e da injustiça social que dominam a nação, releiam a Bíblia numa perspectiva teológica que aponta para "um Deus que optou pelos pobres concretos de Canaã e Egito e posteriormente, na pessoa de Jesus, pelos pobres da Palestina judaico-tomana"(orelha do texto de PIXLEY e BOFF).Feito isso,anunciem o Juízo de Deus contra a corrupção com ousadia, a não ser que já se sujaram nessa lama e estejam debaixo da mesma condenação, como em Romanos 3.10-12.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Evangelho

Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017. Segunda Semana do Advento Santo do dia: São Dâmaso I, Papa, Beata Maria do Pilar Villalonga Villa...