domingo, 31 de março de 2013

Tá no Josias


‘Chafurdemos todos’

O repórter Felipe Recondo mergulhou nas contas do CNJ. Descobriu que nesse órgão, criado para fiscalizar o Judiciário, os beneficiários de privilégios não perdem por esperar. Ganham. Em nota veiculada em sua coluna, Elio Gaspari recordou que, dias atrás, o presidente do CNJ, Joaquim Barbosa, mandara Recondo ao lixo. Por sorte, foi atendido. Aqui, pode-se ler a íntegra da coluna de Gaspari. Abaixo, vai reproduzido o pedaço que trata do CNJ:
Chafurdando na notícia, o repórter Felipe Recondo descobriu que em 2012 aconteceram as seguintes gracinhas no Conselho Nacional de Justiça:
- Em 2012, o CNJ gastou mais de R$ 1 milhão com mudanças de servidores e juízes.
- A conta da Bolsa Moradia pulou de R$ 355 mil em 2008 para R$ 900 mil no ano passado.
- No mesmo período, as despesas com diárias de viagens quintuplicaram, chegando a R$ 5,2 milhões. As despesas com passagens (R$ 2,3 milhões) duplicaram.
Noves fora o fato de três ex-conselheiros se servirem de carros oficiais. (Na Corte Suprema dos Estados Unidos, só quem tem essa mordomia é o presidente da Corte, no exercício do cargo.)
Há poucas semanas o ministro Joaquim Barbosa, que assumiu o CNJ em novembro passado e portanto nada teve a ver com isso, mandou Recondo “chafurdar no lixo, como você faz sempre”. Depois, desculpou-se, por intermédio de sua assessoria.

Chafurdemos todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nas mãos de Gilmar

Gilmar Mendes é sorteado relator do pedido de habeas corpus de Joesley e Wesley Batista O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) ...