segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Segundo Danilo Forte este senhor é o melhor para o Nordeste

No Twitter, Geddel chama assessor de Henrique Alves de ‘batedor de carteira de dinheiro público’


Principal liderança do PMDB na Bahia, Geddel Vieira Lima pendurou no Twitter um lote de comentários sobre um assessor de Henrique Eduardo Alves, o candidato do partido à presidência da Câmara. O auxiliar se chama Francisco Bruzzi. É especialista em emendas ao Orçamento da União. Para Geddel, trata-se de um “batedor de carteira de dinheiro público.”
O nome de Francisco Bruzzi veio à luz numa notícia veiculada neste final de semana pela revista Época. Eis o título da reportagem: ‘As acusações de pagamento de propina contra Renan Calheiros e Henrique Eduardo Alves’. O texto pode ser lido aqui. Revela detalhes inéditos da Operação Navalha.
Deflagrada pela Polícia Federal em 2007, a Navalha percorreu um esquema de desvio de verbas públicas comandado pelo empreiteiro Zuleido Veras, da construtora Gautama. O escândalo custou o cargo do então ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, um apadrinhado do senador José Sarney (PMDB-AP). O processo corre no Superior Tribunal de Justiça.
A revista obteve a íntegra do inquérito. Informa que, manuseando a papelada, encontrou “evidências fortes de pagamentos de propina para Renan e Henrique.” Segundo a notícia, a Gautama relacionava-se com assessores dos parlamentares. Entre eles, Francisco Bruzzi, citado ora como “braço direito” de Henrique Alves ora como “operador fundamental no esquema de Zuleido”.
Numa das passagens, a revista conta que Zuleido recorreu a Bruzzi para liberar verbas federais de uma obra em Alagoas. O governo alagoano estava com pendências no Ministério da Integração Nacional. A PF descobriu que, em reunião com o empreiteiro, o assessor de Henrique Alves informou-lhe que conseguira eliminar na pasta da Integração as restrições que travavam o escoamento das verbas.
O encontro ocorreu em abril de 2007, sob Lula. Nessa época, era Geddel quem respondia pelo Ministério da Integração. “Uma denúncia como essa da Época exige o imediato afastamento desse tal de Bruzzi”, anotou no Twitter o ex-ministro, hoje vice-presidente da Caixa Econômica Federal. “Essa figura macula o PMDB, e ele é das trevas mesmo.”
Afora a demissão de Bruzzi, Geddel sugeriu ao correligionário Henrique uma providência adicional: acha que convém “mandar investigar esse cara”. Plugado no microblog de Geddel, um internauta perguntou: “Te meteram no rolo? Você ouviu os áudios [captados pelos grampos da PF]?” E Geddel: “Não, mas não há hipótese de me meterem em rolo.” Referindo-se a Bruzzi, acrescentou: “Lugar de batedor de carteira de dinheiro público é cadeia.”
Procurados pela reportagem de Época, Renan e Henrique não quiseram comentar a notícia que ressuscitou a Operação Navalha. Favorito do PMDB à presidência do Senado, Renan ganhou neste sábado outra prioridade. Descobriu-se que o procurador-geral da República Roberto Gurgel protocolara na véspera uma denúncia contra ele no STF.
Alheio às denúncias e às observações de Geddel, Henrique Alves também passou pelo Twitter. Redigiu 12 mensagens de agradecimento às legendas que se comprometeram a apoiá-lo na disputa pelo comando da Câmara. O texto é padrão. Fala da “reta final” e agradece “a correção e empenho” dos apoiadores. Foram brindadas as seguintes legendas: PDT, PCdoB, PRB, PPS, DEM, PR, PP, PSD, PT, PSC, PSDB e, naturalmente, PMDB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bom dia

Militares aceitam proposta encaminhada por comissão e decidem encerrar paralisação  ...