domingo, 27 de janeiro de 2013

Gurgel denuncia Renan que diz que é coisa de política. Será?


Denúncia de procurador contra Renan reabre debate sobre sucessão de Sarney no Senado


Conforme a sismologia política de Brasília, só um terremoto no último grau da escala Richter arranca das mãos do senador Renan Calheiros, do PMDB de Alagoas, o triunfo na eleição para a presidência do Senado. Neste sábado (26), a seis dias da consagração, Renan foi sacudido pela notícia de que o procurador-geral da República Roberto Gurgel protocolou no STF uma denúncia contra ele.
A novidade não chegou a soterrar as pretensões de Renan. Mas produziu a reabertura do debate sobre a inconveniência de reacomodar o favorito do PMDB na cadeira à qual renunciou em 2007 envolto em acusações. A formalização da denúncia do procurador-geral “é um fato novo muito sério, que pode levar o PMDB –senão o próprio Renan— a rever a posição”, acredita o senador Álvaro Dias (PR), líder do PSDB.
“Para usar uma expressão suave, considero temerário que o maior partido do Senado opte por um nome que estava sob investigação e agora foi denunciado ao Supremo”, acrescenta Álvaro. “Somos 81 senadores. A opção por alguém que se encontra nessa situação diminui todo mundo e, pior, expõe a instituição ao deboche.”
O risco de o caso descambar para o escárnio cresce porque a denúncia que alvejou Renan refere-se justamente ao caso que o empurrara para fora da cadeira de presidente do Senado em 2007. Envolve uma investigação sobre a renda do favorito do PMDB, acusado de recorrer ao lobista de uma empreiteira para custear a pensão de uma ex-amante com quem tivera uma filha.
Procurado, Gurgel absteve-se de comentar o teor da denúncia. Por meio da assessoria, o procurador-geral limitou-se a declarar: “Não vou dar detalhes porque o inquérito corre sob segredo de Justiça.” A despeito da falta de minúcias, o incômodo já não se restringe à oposição e ao grupo de senadores ditos ‘independentes’.
Longe do Congresso, o mandachuva do PMDB da Bahia Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Lula e atual vice-presidente da Caixa Econômica Federal, disse ao repórter: “Essas circunstâncias constrangem todo o partido.” Referia-se não apenas ao noticiário que engolfa Renan, mas também às manchetes que acossam o deputado Henrique Eduardo Alves, candidato do PMDB à presidência da Câmara.
Longe dos refletores, um grupo de senadores da bancada do PMDB discute a viabilidade do lançamento de um nome alternativo ao de Renan. Mencionam-se pelo menos três: Luiz Henrique (SC), Ricardo Ferraço (ES) e Eunício Oliveira (CE). Os dois primeiros contam com as simpatias da oposição. O terceiro briga até o momento para assumir o lugar de Renan na liderança do partido.
Sob o compromisso do anonimato, um dos senadores envolvidos na discussão subterrânea resumiu a encrenca: “Considerando-se o cenário atual, nenhuma candidatura alternativa parece reunir chances de prosperar no PMDB sem que Renan se disponha a sair de cena por conta própria. Ele controla a maioria da bancada, isso é inegável.”
Renan vive uma situação inusitada. Tornou-se favorito à sucessão de Sarney sem jamais ter formalizado sua candidatura. No PMDB, com duas dezenas de senadores, apenas dois –os dissidentes Jarbas Vasconcelos (PE) e Pedro Simon (RS)— questionam Renan. Ainda assim…
Nem Jarbas nem Simon se animam a enfrentar Renan no voto. Sabendo-se em desvantagem, ambos preferem “marcar posição” apoiando um candidato de partido periférico. Por enquanto, há dois: Randolfe Rodrigues, do PSOL do Amapá, e Pedro Taques, do PDT do Mato Grosso. O mais bem posto é Taques. Hoje, arrastaria em plenário menos de 20 votos. Ou seja: Renan não controla apenas a maioria da bancada do seu PMDB. O denunciado controla o próprio Senado.
“Nosso entendimento com o senador Pedro Taques prevê que podemos rever a posição caso o PMDB lance outro candidato que mereça o nosso apoio”, disse o tucano Álvaro Dias. E Taques: “Vou manter meu nome. Se, por obra do Espírito Santo, o PMDB chegar à conclusão de que a moralidade existe e deve ser observada, vou esperar que venham conversar comigo. O que me espanta é a falta de debate.”
Ex-procurador da República, Taques acrescentou: “O PMDB tem que dar uma resposta à sociedade sobre essas denúncias. O fato de um cidadão ser denunciado não significa que ele cometeu crime. Mas a denúncia do procurador-geral da República não é uma coisa qualquer, é um ato de Estado.” Renan manifestou-se por meio de nota. Escreveu que a denúncia de Gurgel é suspeita e tem contornos políticos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bom dia

Militares aceitam proposta encaminhada por comissão e decidem encerrar paralisação  ...