quinta-feira, 28 de junho de 2012

Polícia cearense desbarata quadrilha interestadual


SARA OLIVEIRA
saraoliveira@oestadoce.com.br
Sete homens presos, um fuzil, três pistolas, três coletes à prova de bala e 14 emulsões de dinamites prontas para detonação apreendidos. A Polícia Civil afirma que o grupo preso é responsável por, pelo menos, dois assaltos a banco no Ceará, e já estava preparado para o próximo. De acordo com os números fornecidos pela Polícia, 12 assaltos a instituições bancárias foram registrados em 2012, sendo cinco em Fortaleza e sete no interior (com uso de explosivos).

Imagens de circuito interno de TV confirmaram a participação dos acusados nos assaltos aos bancos das cidades de Palhano, em novembro de 2011, e Banabuiú, em março deste ano. “Não descartamos a participação destes homens nos sete assaltos com explosivos em 2012 no Ceará”, ressaltou o titular da Delegacia de Roubos e Furtos, Romério Almeida. As investigações que culminaram nas prisões em Fortaleza, Maracanaú e Pacajus, tiveram início há quatro meses e, conforme o delegado, continuarão. “Essa quadrilha tem ramificações na Paraíba, Piauí e Rio Grande do Norte”.
PRESOS
Os primeiros assaltantes a serem presos foram o cearense José Fabiano Nunes Alencar,33, apontado como chefe da quadrilha e que já responde por assalto a banco, e o potiguar Claudivam Bezerra Alves dos Reis, 31. Eles foram rendidos por volta da meia noite de ontem, em uma Hilux, em Fortaleza. Outros dois potiguares: Leonel Correia de Melo, 34, e Benai Alves de Queiroz, 23, foram presos em Maracanaú e utilizavam nomes falsos. Benaí, conforme informações da Polícia, era responsável por guardar as armas e o material explosivo em uma casa na zona rural de Pacajus.

Outro acusado, Francisco José de Oliveira, 30, conhecido como “Galo”, responsável por esconder os veículos roubados, estava no bairro Sapiranga quando foi preso. Felipe Chaves de Araújo, 24, o “Peruca”, foi rendido enquanto dirigia um Fiesta preto, junto a Glauco Silvio Andrade, 22.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Cactus na Assembleia