quinta-feira, 31 de maio de 2012

Reportagem especial - Está no conversapiaba.com.br


LÁ VAI A YPIÓCA DO BOTECO PARA O PUB





Wilson Ibiapina

Um dia, os jornalistas Macário Batista, Nelson Faheina e eu bebíamos uísque num bar da avenida Beira Mar, em Fortaleza, quando notamos um cidadão que, à curta distância, não tirava os olhos de cima de nós. Aquilo começou a incomodar. 

- Estará curioso pra saber o que estamos bebendo? perguntou o Macário. 

- Acho que ele está querendo é tomar uma. 

Disse o Faheina, que colocou uma lapada do “red” num copo e ofereceu ao rapaz. Ele bebeu de uma vez, lambeu os lábios e perguntou: 

- Doutor, essa é a tal da Coca-Cola?


Pois não é que agora, antes mesmo de chegar ao povão, o Johnnie Walker, o famoso Joãozinho Andador desembarca ao Ceará e abocanha a Ypióca, a nossa marca de cachaça mais conhecida no Brasil e no mundo.

Assim como o sabonete Phebo, que foi criado pelos primos portugueses Antônio Lourenço da Silva e Mário Santiago, a Ypióca surgiu no Ceará em 1846 por obra e graça da família portuguesa Teles Menezes e agora, também passa para o domínio britânico.

A cachaça é a segunda bebida alcoólica mais consumida no país, só perde pra cerveja. Quero ver se vão dizer agora que beber pinga é coisa de pé sujo.

A família Teles vendeu a marca, uma destilaria em Paraipaba, uma fábrica de envasamento em Fortaleza e um centro de distribuição em São Paulo. Mete R$ 900 milhões no bolso e ainda vai fornecer cachaça pra multinacional.

Ainda bem que o dia vai continuar amanhecendo colonial. A cachaça Colonial, fundada por Tibúrcio Targino em 1923 é a preferida pelo cearense, principalmente nos dias de chuva. Quando o céu está nublado, a turma diz que o dia está colonial.

Os mais velhos dizem que a aguardente serve para curar gripe, abrir o apetite, cortar a fome. Pode ser consumida nos momentos de alegria e de tristeza. Um santo remédio.

Vejo que não era 
invenção dos mais velhos. A aguardente, que na Europa 
era feita de cereais, frutos, raízes e sementes, era usada desde a 
Idade Média como medicamento.


A palavra água+ardente aparece com o sentido de água da vida em vários idiomas. O professor Reinaldo Pimenta, mestre de português, que especializou-se em descobrir a origem das palavras, conta que tudo começou em 1300. O alquimista espanhol Arnau de Villanova destilou o vinho e obteve álcool, pela primeira vez.

Foi chamado em latim de spiritus vini (espirito do vinho). Até hoje, em 
inglês, a palavra spirits serve para designar bebida alcoólica 
destilada. O químico suíço Paracelso foi o primeiro a substituir
 spiritus vini pela palavra álcool. Outra explicação dele: A palavra 
vem do espanhol alcohol, que veio do árabe al-kuhl. Deu origem a
 cachaça árabe Arake, que tem gosto de aniz. Nas línguas européias a
palavra álcool passou a designar qualquer substância produzida por
 destilação.

A água da vida foi batizada pelos irlandeses de uisce
beatha - água da vida. Depois passou a ser chamada só de uisce (água, 
termo que virou em inglês whisky, que passou para uísque em português).


Os russos batizaram sua cachaça de Vodka (aguinha). 
Essas são as explicações verdadeiras para a etimologia da
 aguardente. Mas há os que preferem as explicações inventadas pelo
 povo, que são mais sedutoras.

Antigamente, no Brasil, para se ter melado os escravos colocavam o caldo da cana-de-açúcar em um tacho e levavam ao fogo. Não podiam parar de mexer até que uma consistência cremosa surgisse.
 Conta a lenda que, num dia, cansados de tanto mexer e com serviços ainda por terminar, os escravos simplesmente pararam e o melado desandou! O que fazer agora? A saída que encontraram foi guardar o melado longe das vistas do feitor. 

No dia seguinte, encontraram o melado
azedo (fermentado). Não pensaram duas vezes e misturaram o tal melado azedo com o novo e levaram os dois ao fogo. Resultado: o "azedo" do melado antigo era álcool que aos poucos foi evaporando, formando no teto do engenho umas goteiras que pingavam constantemente.

 Era a cachaça já formada que pingava 
(por isso o nome PINGA) As gotas, quando batiam nas costas dos escravos, marcadas com as chibatadas, ardiam muito, por isso o nome "AGUARDENTE". 

Caindo em seus rostos e escorrendo até a boca, os escravos viram que a tal goteira dava um barato, e passaram a repetir o processo constantemente. Êta, como a mentira fica bem mais interessante que a verdade!


Se for beber, não dirija.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gênio!

As andanças e declarações do ministro Salles na Espanha O Acordo de Paris é para o país levar vantagem O ministro Ricardo Salles deu uma ent...