segunda-feira, 2 de maio de 2016

Olha só o nivel dessa canalha

Caiado desafia petista para discutir 'lá fora' e interrompe sessão no Senado


Uma discussão tensa entre os senadores Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Lindbergh Farias (PT-RJ) interrompeu por alguns minutos a sessão da comissão do impeachment no Senado.
Tudo começou depois que Caiado afirmou, no microfone, que o governo da presidente Dilma Rousseff estaria apagando arquivos para prejudicar a troca de gestão para o vice Michel Temer no caso de afastamento dela.
"É mentira do senador", afirmou o petista. Os dois trocaram palavras fora do microfone e Caiado então desafiou Lindbergh para resolver a discussão "lá fora". "Fala lá fora", disse o líder do DEM.
A sessão foi interrompida e o petista então soltou a Caiado: "O senhor não está tratando com os funcionários de sua fazenda".
Outros senadores tentaram acalmar os ânimos e a sessão foi retomada.

Sérgio Lima -/Folhapress
BRASILIA, DF, BRASIL, 17-03-2015: Sen. Ronaldo Caiado - Audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), presidida pelo senador Delcídio do Amaral (PT-MS), para ouvir o ministro do Planejaento, Nelson Barbosa. O ministro deverá falou sobre as ações fiscal incluídas nas Medidas Provisórias que estabeleceram uma série de alterações nas regras de seguro-desemprego, abono salarial, seguro-defeso, pensão por morte, auxílio-doença e auxílio-reclusão. (Foto: Sergio Lima Folhapress - PODER)
O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO)

É o osso...perdão, é osso!

PMDB e PP travam batalha pelo ministério da Saúde em eventual governo Temer

ministerio-saude
PMDB e PP estão em franca disputa pelo controle do Ministério da Saúde, num eventual governo de Michel Temer. Mesmo em tempo de epidemias e com orçamento mais apertado do que no passado, a pasta continua sendo uma das mais cobiçadas na Esplanada dos Ministérios. Temer quer que o posto seja ocupado por uma estrela. O presidente do PP, Ciro Nogueira, já tem um nome em mente: o cirurgião paulista Raul Cutait, que por anos esteve à frente do Hospital Sírio Libanês. Sondado, Cutait ainda não deu a palavra fina
Ciro Nogueira, por sua vez, desconversa: “O Raul é um grande amigo meu. Se couber ao partido a indicação, é um dos nomes que tenho. É um dos primeiros nomes com que vou conversar”, completou.
Temer já havia acenado com a possibilidade de manter um acordo previamente alinhavado com o PP. A ideia inicial era que o partido assumisse o comando de dois ministérios, a princípio Integração Nacional e Saúde.
Nesta semana, no entanto, começou a ganhar corpo um movimento dentro dos quadros do PMDB para garantir que a Saúde, assumida no fim do ano passado, permanecesse nas mãos do partido. Integrantes da bancada peemedebista descrevem uma série de justificativas para isso: PP não teria um nome de peso para ocupar a pasta (e assim, não teria como atender a condição previamente imposta por Temer), ao passo que PMDB teria várias pessoas com certa tradição na luta pela saúde. O movimento sanitarista, argumenta a bancada, teve início com PMDB.
Além disso, argumenta a bancada peemedebista, o PP teria muito mais tradição em outra área, a da Agricultura. Faria mais sentido, dizem, que integrantes do PP assumissem esse posto.
Mas os motivos que fazem PMDB querer assegurar a Saúde não passam nem de perto da mera manutenção da tradição. A pasta é um ministério com grande capilaridade: há postos a serem preenchidos em todos os cantos do País. Investimentos na saúde – como hospitais, ambulâncias e contratação de médicos – sempre foram um trunfo importante para ganhar a simpatia da população. Os atrativos ganham uma importância ainda maior agora, com a proximidade das eleições municipais.
O PP, por sua vez, já deixou claro que não abre mão da pasta da Saúde num eventual governo Temer, tornando difícil, assim, uma eventual troca pela Agricultura. Enquanto a definição não é feita, os partidos continuam trabalhando em busca de nomes de estrelas. O presidente do PP, embora negue a sondagem a Cutait, afirma que o médico seria importante não apenas para ocupar o posto de ministro. “Ele é importante também para ajudar na formulação do partido. Não teve nenhum convite, até porque não está certo que essa pasta virá ao partido, mas é um nome maravilhoso.”
estadao-conteudo

Capa do jornal O Estado(CE)


Coluna do blog




A conta da luz
Aumento de energia elétrica será discutido na Assembleia Legislativa-A Comissão de Defesa do Consumidor realizará na próxima quarta-feira (04) audiência pública para discutir o aumento da na tarifa de energia elétrica no Ceará, que começou a vigorar no último dia 22, e que foi aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e praticada pela Coelce. O aumento autorizado para o Ceará foi o maior do Nordeste e o quarto mais alto do País, chegando a 13,64% para os consumidores residenciais e a 11,51% para as indústrias. Em 2015, as contas de energia do Ceará sofreram dois acréscimos – 10,3% em março e 11,69% em abril - somando 21,99% de reajuste. A audiência foi proposta pelo presidente da Comissão de Defesa do Consumidor, deputado Odilon Aguiar (PMB), e será às 14h30min, no Complexo das Comissões da Assembleia.  "Esse aumento deverá trazer consequências danosas para todos. Como se não bastasse a crise econômica, o desemprego, o cearense terá que arcar com mais esse aumento porque essa alta gera um aumento em cadeia de tudo que é produzido e consumido", explicou Odilon. Ao todo, existem no Ceará 3,4 milhões de unidades consumidoras que serão penalizadas com essa alta, que impactará em R$ 138 milhões. Foram convidados para a audiência a Coelce, Aneel, Arce, Fiec, Decon, OAB, FCDL, universidades e entidades ligadas aos direitos dos consumidores e associações populares. 
A frase: “Não jogue espinhos na estrada. Na volta você poderá estar descalço”. De um observador da cena.



Canalhice, diz Hugo (Nota da foto)
“O político Adail fez um ato de canalhice e não tem vocabulário a mais que defina o que foi feito. Esse tipo de canalhice nem no IPPS se encontra. É uma indignidade comportamental.” Deputado estadual Fernando Hugo (PP), ao comentar a postura do deputado federal Adail Carneiro, que trocou o voto pró-impeachment pelo comando estadual do PP.

Denúncia
Tratores e enormes caminhões estão desmontando dunas e falésias na Praia do Preá,  colada no  Parque Nacional de Jericoacoara. Ou alguém cuida do que está ocorrendo ou vão já já construir enorme condomínios. Colado no aeroporto Ariston Pessoa,em Cruz.

Denúncia II
A deputada Laís Nunes denunciou a paralisação da construção do canal que interligará o açude do Orós ao perímetro irrigado Icó Lima-Campos. A obra está parada há dois anos, e metade dos R$ 16 milhões liberados para sua construção já foram gastos,denunciou.

Expectativa
O Ceará aguarda com uma certa ansiedade o leilão, esta semana, da concessão do Aeroporto Pinto Martins, em Fortaleza. Na esteira do leilão vêm a retomada das obras paralisadas e o que se pode adiantar pelo HUB da TAM.

Sábio Falcão
É da música do Falcão, nosso bardo e profeta cantador: “Conhece tudo, explica tudo/E discute com bastante elegância/Os rumos da catilogência/Fica suave, delicado e aberto/A novas experiências...”
 
E vai ao refrão...
“Porque homem é homem/Menino é menino/Macaco é macaco/E viado é viado/
Homem é homem/Menino é menino/Politico é político/E baitola é baitola”. Falcão não contava, ainda,  com a ideia que tem deles, no Senado, que acumula.

Mais pra frente
A primeira fase da seleção simplificada para banco de professores temporários – uma prova de conhecimentos básicos e específicos, mudou de data: será dia 22 de maio. A informação está no site do Governo do Ceará.


Bom dia

Dilma anuncia aumento no Bolsa Família e correção da tabela do IRPF

A presidente Dilma Rousseff (PT) anunciou neste domingo (1º), durante festa do Dia do Trabalho organizada pela CUT (Central Única dos Trabalhadores), em São Paulo, que vai reajustar em 9% o valor dos benefícios do Bolsa Família e corrigir a tabela do imposto de renda sobre pessoa física em 5%.
O reajuste dos valores do Bolsa Família faz parte do chamado "pacote de bondades" preparado pelo governo que enfrenta um processo de impeachment no Senado.
"Estamos autorizando um reajuste no Bolsa Família que vai resultar em um aumento médio de 9% para as famílias. Essa proposta não nasceu hoje. Ela estava prevista lá em agosto de 2015 quando enviamos o orçamento par ao Congresso. Essa proposta estava prevista, e diante do quadro atual, tomamos medidas que garantem aumento na receita neste ano e nos próximos para viabilizar esse aumento no Bolsa Família. Tudo isso sem comprometer o cenário fiscal", afirmou Dilma.
Uma entrevista coletiva convocada pelo Palácio do Planalto para explicar os reajustes no Bolsa Família foi cancelada logo após o anúncio feito por Dilma. A entrevista seria com a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campêllo. O Planalto não explicou o que levou ao cancelamento e disse que uma nova data será programada para detalhar o reajuste.
As medidas anunciadas por Dilma eram dadas como certas desde a semana passada, o que despertou críticas de políticos da oposição ao governo Dilma. O presidente do Solidariedade, Paulinho da Força (SP), classificou o chamado "pacote de bondades" da presidente como um "ato de desespero".
"Ela (Dilma) já não consegue mobilizar mais ninguém. O povo já não acredita mais nela. Isso parece mais uma vingança por tudo o que está acontecendo com ela do que qualquer outra coisa. Isso que é triste", afirmou Paulinho durante um evento realizado pela Força Sindical em São Paulo.

Críticas

Dilma aproveitou o discurso para criticar o processo de impeachment que tramita contra ela no Senado. Ela disse que a oposição se aliou a "traidores" para tirá-la do poder. "Eles fazem isso porque há 15 meses atrás (sic), eles perderam uma eleição direta. Como eles perderam a eleição e eles tinham um programa para essa eleição, eles se alinharam, inclusive com traidores do nosso lado, para fazer o que? Para sob a cobertura do impeachment fazer uma eleição indireta", disse a presidente.
Com a voz embargada, a presidente Dilma voltou a chamar o processo de impeachment contra ela de "golpe" e disse que irá resistir. "Eu vou resistir e vou lutar até o fim", afirmou Dilma.

domingo, 1 de maio de 2016

Bilhete do Fabricio Moreira

BOM DIA MACÁRIO BATISTA!
Acordei bem cedo, aqui na tricentenária Ribeira do Salgado dos Icós, escutando o belo Canto do Galo Caipira da minha estimada vizinha Elisa Angelim, que recentemente festejou seus 96 anos de idade com pura lucidez, e, tal qual este escriba, até os dias atuais espera “O Sertão Virar Mar”, que um dia profetizou em “Os Sertões”, Euclides da Cunha, publicado em 1902.
Em outro contexto histórico, por isso lembrei o Euclides, quando nos chamou a atenção para a guerra de Canudos, que foi liderada pelo cearense Antônio Conselheiro, conterrâneo da cabeça chata de Luizinho Girão e Edmilson Júnior, ocorreu na última sexta-feira em Icó, em que um grupo de cidadãos fez um levante com queima de pneus e barricadas, impedindo, pois, que “Carros-Pipares” abasteçam com as águas limpas do Açude de Lima-Campos, propriedade do finado DNOCS ao estado da Paraíba, parece estar se repetindo.
A guerra de Canudos foi por uma sociedade justa, humana, igualitária e sócio-religioso; a de Lima-Campos é somente por água!
Como diria o repórter Deusimar de Oliveira, agora travestido de Lima-Campos vamos à luta, "a água de beber não pode nos faltar".
Mas em terra de sábios e sabidos, os pipeiros do Estado da Paraíba pegaram o mote de Clóvis Bevilacqua, que um dia escreveu em nosso código pátrio, “que á água é de uso comum do povo”, e, daí, 170 (cento e setenta) carros tanques se fartam as custas de nosso Açude de Lima-Campos.
Outrossim, o nosso Deusimar de Oliveira - o conhecido Carrasco do Tucunaré, empolgado transmissor das boas novas do seu distrito limacampense através de emissoras de rádio, diligenciou e descobriu, que os paraibanos “estavam matando a sede de seu povo, mas como sabidos os são, negociando por vil metal as nossas águas levadas de forma graciosa”.
"Assim é demais para o meu visual", gritou o radialista Richard Lopes, em apoio a Oliveira!
Padre Cícero, lembrando os prenúncios de tempos de seca, certa feita em um de seus sermões, afirmou que em breve “só existirá água nos olhos do povo”, e, refletiu que enfrentaríamos no futuro próximo uma verdadeira guerra pela sobrevivência, por esta substância líquida e incolor, insípida e inodora, essencial para a vida da maior parte dos organismos vivos.
Enfim, Lima-Campos está em pé de guerra contra os pipeiros, mas o poeta Emily Dickinson acalmará os ânimos:
“A água se ensina pela sede;
A terra, por oceanos navegados;
O êxtase, pela aflição;
A paz, pelos combates narrados;
O amor, pela cinza da memória
E, pela neve, os pássaros”.
(Por Fabrício Moreira da Costa, advogado e contista).

Se não sabe ler em ingles, liga na Globo que ela traduz.

In Brazil, the real crime is corruption


President Rousseff hands are clean in graft scandal

As Brazil embarks on the wrenching process of possibly booting President Dilma Rousseff from office, here’s some advice from a country that knows something about impeachment: Make sure it’s about serious violations of law, not about politics.
There is, we hasten to say, no comparison between the charges or situations involving former President Bill Clinton, who was impeached by the House of Representatives almost 20 years ago but survived a trial in the Senate, and that of Ms. Rousseff.
He was accused of a dalliance with a White House intern and lying under oath about personal matters. She is accused of violating regulations regarding government finances, a budgetary trick designed to conceal a looming deficit.
On the face of it, these are two very different matters — except for the political impetus driving the impeachment process in both instances.
Mr. Clinton had indeed indulged in conduct that is beneath what’s expected of a president. But the Republicans who despised him never managed to convince a skeptical public that they had the country’s best interests at heart — as opposed to their own selfish political interests — or that Mr. Clinton’s actions were a big deal.
Similarly, Ms. Rousseff, by all accounts, did indeed play games with public finances. She wanted to enhance her prospects for reelection in 2014 and borrowed $11 billion from state banks to fund popular social programs designed to help the poor who make up her party’s base.
Whether this deserves impeachment is a question that has divided Brazil’s legal experts and constitutional scholars, and one that Brazil’s senators should ponder seriously as they prepare to vote this week on whether to hold an impeachment trial.
But the real issue behind this ruckus is not tricky bookkeeping by the president, but rather the corruption crisis engulfing Brazil. That is, indeed, a very big deal — an enormous corruption investigation that has snared some 50 politicians and a few business leaders. It’s left the political system in tatters.
Ms. Rousseff, as it happens, is one of the few ranking political leaders who is not accused of graft. But among those who are is Eduardo Cunha, the head of Brazil’s lower house, the man leading the impeachment drive. He’s being investigated for money laundering and taking bribes. Many of the accused, like him, are among the lawmakers deciding the president’s fate.
Then there’s Vice President Michel Temer, a widely disliked political figure who would replace Ms. Rousseff, at least during the Senate trial. Testimony implicates him and close allies in the graft scandal around Petrobras, the national oil company.
For Brazil’s army of dirty politicians, impeaching a weak and unpopular president offers a fortuitous distraction from their own crimes. It provides a scapegoat to quench the public’s thirst for justice, for a big name to take the fall for the country’s woes and shift the focus away from corrupt lawmakers.
Ms. Rousseff may be guilty of mismanaging the economy, but her hands are clean in the graft and corruption scandal.
There are no winners here, as there were none in the Clinton imbroglio.
The only way Brazil can emerge stronger is to continue to rely on democratic institutions to prosecute crime and to strip corrupt lawmakers of power. Ms. Rousseff’s violations, if proven true, are serious, but impeachment is a huge ax to wield for breaking the rules of budget management.
Brazilians should not be distracted. The crime that has brought their country low is thievery in office. Go after the crooks, and let voters decide the fate of incompetent politicians.

E é?

quinta-feira, 28 de abril de 2016

24 horas após ser premiado nos EUA, Moro é alvo de denúncia no RS

Foto: Sérgio Moro e sua esposa, Rosangela Wolff, durante entrega de prêmio em Nova York. (Reprodução/Facebook – Comunidade Eu MORO com ele)
Marco Weissheimer

Menos de 24 horas depois de ter sido homenageado pela revista Time, nos Estados Unidos, como “uma das cem personalidades mais influentes do mundo”, o juiz Sérgio Moro foi alvo de uma denúncia, em Porto Alegre, assinada por mais de 100 advogados e advogadas, professores, pesquisadores, bacharéis e estudantes de Direito, de 16 estados do país. Protocolada na Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, a representação aponta uma série de inconstitucionalidades e ilegalidades que teriam sido cometidas pelo juiz denunciado e que se constituiriam em infrações disciplinares e em “comportamento impróprio ao exercício da magistratura, desviando o Poder Judiciário dos fins propostos pelo ordenamento jurídico”.

Os signatários da denúncia foram articulados pela Rede Nacional de Advogados e Advogadas Populares (RENAP) e pelo Grupo de Assessoria Jurídica Popular, vinculado ao Serviço de Assessoria Jurídica Universitária (SAJU) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

A representação defende que o juiz Moro, “a partir da ação denominada Operação Lava Jato comete desvios de finalidade, prejudicando a segurança jurídica e institucional, que o ordenamento jurídico determina”. “Visando seus próprios anseios e não o que determina o ordenamento jurídico, termina por desviar o Poder Judiciário de sua função”, afirma ainda. Os autores da denúncia citam a afirmação do ministro Teori Zavascki, a propósito da divulgação de sigilos telefônicos envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidenta Dilma Rousseff. Para Zavascki, “é descabida a invocação do interesse público da divulgação ou a condição de pessoas públicas dos interlocutores atingidos, como se essas autoridades, ou seus interlocutores, estivessem plenamente desprotegidas em sua intimidade e privacidade”.

A quebra de sigilo, sustentam ainda os autores da denúncia, configura também uma violação de prerrogativas da advocacia, uma vez que não atingiram apenas o ex-presidente Lula, mas também o advogado deste, Roberto Teixeira. O telefone central da sede do escritório Teixeira, Martins e Advogados, localizada em São Paulo, também foi objeto de escuta telefônica e conversas de todos os 25 advogados da banca com pelo menos 300 clientes foram grampeadas, além de telefonemas de empregados e estagiários do escritório. “Tal conduta do juiz representado viola o Estatuto da Advocacia, Lei nº 8. 906/1994. É direito do advogado a inviolabilidade da correspondência escrita, eletrônica, telefônica e telemática, como dispõem o art. 7º, II, do Estatuto da Advocacia” afirma ainda a denúncia.

Essa conduta, sustentam os autores da representação, atenta contra a independência e harmonia entre poderes. “O juiz procura, conforme suas próprias palavras, incidir na política brasileira, extrapolando seu mister de magistrado, atingindo a independência e harmonia entre os poderes (art. 2º, da CF). Neste sentido, fomenta a população e instituições contra a Presidência da República, que exerce o Poder Executivo”. O documento cita as palavras do próprio Moro em um artigo sobre a Operação Mãos Limpas realizada na Itália, onde ele elogia a incidência que ela teve na política daquele país: “A operação mani pulite redesenhou o quadro político na Itália. Partidos que haviam dominado a vida política italiana no pós-guerra, como o Socialista (PSI) e o da Democracia Cristã (DC), foram levados ao colapso, obtendo, na eleição de 1994, somente 2,2% e 11,1% dos votos, respectivamente”, escreveu Moro.

Os mais de 100 denunciantes apontam ainda outras medidas de Moro, que consideram infundadas, como a relação obscura com empresas de comunicação, a decretação de prisão com base em notícias de jornal ou fundamentadas no “clamor público”. E denunciam a utilização da prisão provisória para conseguir delações premiadas, prática típica de “estados totalitários, ditaduras, que prendem para conseguir confissões e provas”. A representação lembra o artigo X da Declaração Universal dos Direitos Humanos, o artigo 14 do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, e o art. 8º do Pacto de São José da Costa Rica, que preveem a garantia de juízes imparciais e independentes. “O Brasil é subscritor da Declaração e introjetou os pactos por meio Decreto nº 592/1992 e Decreto 678/1992, respectivamente”, assinalam também os autores da denúncia.

“Percebe-se um comportamento contumaz de violação ao ordenamento jurídico, descabido para quem exerce a função de magistrado. A referida notícia crime caracteriza, inclusive, a prevaricação, como também o reiterado abuso de autoridade”, afirma o texto da representação que pede a investigação das violações denunciadas e, caso sejam confirmadas, “o afastamento do denunciados do julgamento da ação judicial e investigações conhecidas como Operação Lava Jato, sem prejuízo de outras sanções cabíveis”.


Fonte: sul21

O dia nasce...


A Mega Sena de ontem


Resultado Concurso 1813 (30/04/2016)

Acumulou!

Sorteio realizado no Caminhão da Sorte em GUAÍRA, PR
  • 09
  • 11
  • 13
  • 15
  • 19
  • 51

Matteo Renzi continua primeiro ministro da Italia.

Avião faz aterrissagem de nariz em Catânia, na Itália

Incidente foi causado por um problema no trem de pouso

Uma aeronave Fokker 50 da companhia aérea Air Vallée realizou neste sábado (30) uma aterrissagem de emergência no aeroporto de Catânia, no sul da Itália, devido a um problema no seu trem de pouso dianteiro.    Como o dispositivo não abriu, o avião, que partira de Rimini, na costa leste do país, foi forçado a pousar de nariz na pista. No entanto, todas as 21 pessoas a bordo - 18 passageiros e três tripulantes - saíram ilesas.   
O incidente acabou provocando o fechamento temporário do aeroporto, atrasando uma visita a Catânia do primeiro-ministro Matteo Renzi, que desembarcou no local de helicóptero e cumprimentou o piloto da Air Vallée que realizou a manobra.   
"Estou feliz em poder dar o meu agradecimento ao piloto e pela extraordinária eficiência do aeroporto de Catânia, mas isso demonstra como a Itália é capaz de, frente a emergências, fazer o seu melhor", disse o premier, já na cidade siciliana.

Hora de pegar o beco?

STF teme confronto traumático com afastamento de Eduardo Cunha

Réu na Lava Jato, deputado é o segundo na linha sucessória do país

O Supremo Tribunal Federal (STF) foi alertado nos últimos dias pelo relator da Lava Jato na Suprema Corte, ministro Teori Zavascki, sobre a urgência de uma decisão sobre a linha sucessória no comando do país. Se a presidente Dilma Rousseff for afastada, o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pode vir a assumir a Presidência da República quando Michel Temer se ausentar do país para viagens oficiais.
No entanto, de acordo com a coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo deste sábado (30), o STF vê com receio a possibilidade de um confronto traumático com o Legislativo e estuda a possibilidade de um afastamento temporário de Cunha durante eventual viagem de Temer para fora do país.
Presidente da Câmara também enfrenta processo de cassação de mandato na Casa que preside
Presidente da Câmara também enfrenta processo de cassação de mandato na Casa que preside
Embora Eduardo Cunha tenha sido denunciado há mais de quatro meses por lavagem de dinheiro, corrupção passiva e ocultação de contas no exterior pelo Ministério Público Federal (MPF) e tenha se tornado réu no STF, os ministros da Suprema Corte ainda não têm data prevista para julgar o peemedebista.
O presidente da Câmara é, também, alvo de um processo no Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar, acusado de mentir na CPI da Petrobras ao negar que fosse titular de contas no exterior, o que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, provou não ser verdade. Cunha e aliados vêm manobrando o Regimento Interno da Câmara para evitar a cassação de mandato.
>>Eduardo Cunha recebeu R$ 52 milhões de propina
>> Eduardo Cunha: uma ciclovia e meia em propinas

Bom dia

Ciro Gomes: "Eduardo Cunha assume a Presidência da República em junho"

Com impeachment, Temer vai abrir assembleia da ONU nos EUA

Em palestra para estudantes da PUC-SP na quinta-feira (29), o ex-ministro Ciro Gomes lembrou que, em eventual afastamento de Dilma Rousseff, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), assumirá a Presidência da República em junho, já que Temer, que será presidente em exercício, viaja para a abertura da Assembleia-Geral da ONU, nos Estados Unidos.
Dirigindo xingamentos contra Temer, Ciro disse que o vice não deixaria de viajar, porque é muito vaidoso. "E Michel Temer, em sua vaidade de safado, não vai deixar... vocês não deviam rir, não, isso é um salafrário dos grandes. Conspirador f*** da p***", afirmou o ex-ministro, sendo aplaudido pelos estudantes.
Diante do cenário de destituição de Dilma, Ciro, que é pré-candidato do PDT ao Planalto em 2018, afirmou que "a esquerda deve ir para a oposição".
"Nós vamos para a oposição. E a população agora vai sofrer o pão que o diabo amassou porque o consenso desse constitutivo da Dilma se dissolve no dia seguinte que ela perder o mandato. O eleitor frustrado do Aécio não se verá representado; quem está preocupado com a crise econômica, aperte o cinto que a coisa vai piorar muito e na direção do povo mais pobre do Brasil; e quem está preocupado com a decência do Brasil, durma com um barulho desse: o presidente da República que assume em junho é o Eduardo Cunha", lembrou.
Na semana passada, o relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Teori Zavascki, alertou que a Corte Suprema deve se posicionar sobre a possibilidade de Eduardo Cunha assumir a Presidência da República em eventual viagem de Temer. Juristas discutem se o peemedebista não estaria impossibilitado assumir a chefia do governo federal por ser réu no Supremo.

sábado, 30 de abril de 2016

Olha só quem fala em organização criminosa.

Líder do PT rebate críticas de Cunha e diz que deputado "perdeu a calma"

cunha sessãoO líder do PT na Câmara dos Deputados, Afonso Florence (PT-BA), rebateu as críticas à legenda feitas pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), nessa quinta-feira, 28. Segundo Florence, Cunha “perdeu a calma depois que o Conselho de Ética apresentou mais uma comprovação de que ele é um dos líderes da quadrilha que assaltou a Petrobras”, com o depoimento do lobista Fernando Baiano.
Cunha tem engrossado os discursos contra o PT, reforçando que a legenda é uma “organização criminosa”. “Cunha já responde no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Conselho de Ética, ainda tem direito de defesa, mas esse destempero verbal tentando identificar o PT como o partido responsável pela corrupção não corresponde ao número de indiciados e delatados do próprio partido dele, o PMDB, inclusive ele liderando a lista. Esperamos que a justiça seja feita, com presunção de inocência, mas a posição dele realmente não é confortável porque são muitas delações premiadas e provas documentais robustas”, declarou o parlamentar.
Para Florence, Cunha é um dos principais responsáveis pela crise política e econômica do País, junto com partidos da oposição, como DEM e PSDB, além do próprio PMDB, que se uniram, segundo ele, para aprovar matérias que enfraqueceriam o governo. “No ano passado, eles ganharam e o Brasil perdeu, na medida em que fizeram quanto pior para o País, melhor para eles”, disse.
“A partir do momento em que Cunha assumiu o cargo ele jogou o País num impasse, com pautas-bomba e desestabilização política. E agora ele colhe o reflexo do que fez.” Sobre a acusação do presidente da Câmara de que o PT estaria obstruindo pautas até mesmo projetos do governo, o líder do partido negou. “O governo se propõe a votar, obstrui publicamente, mas encaminha favoravelmente. Agora, o País não aguenta mais Cunha na presidência jogando para a desestabilização política”, disse. Segundo ele, a obstrução é importante para combater uma possível aliança entre Cunha e a oposição, mas quando forem votadas matérias consideradas de interesse do País, o PT continuará a votar a favor.
estadao-conteudo

Chico Lopes defende Dilma no Beco do Cotovelo

chicoco
O deputado federal Chico Lopes (PCdoB) participa, neste sábado, de atividades em Sobral (Zona Norte). Ele dialoga com a população e distribui o informativo do mandato, visitando o Beco do Cotovelo, tradicional ponto de concentração popular. 
Na noite desta sexta-feira, Chico Lopes ministrou palestra para estudantes e professores da Universidade Vale do Acaraú (UVA), sobre o projeto de lei de sua autoria que amplia o acesso dos professores a mestrado e doutorado, garantindo uma política nacional de acesso à pós-graduação.
becoco
Chico no Beco do Cotovelo.
Além de passar os informes do mandato, nas áreas de educação, defesa do consumidor e direitos do trabalhador, Chico Lopes dialoga com os sobralenses sobre a luta contra o golpe e pela permanência da democracia em nosso País, ressaltando ainda a necessidade de tirar Eduardo Cunha da presidência da Câmara dos Deputado.
(Fotos – Divulgação)

Folga pra patroa...

Diz meu amigo comandante Genário Peixoto que sábado é dia de dar folga pra patroa e comer uma pizza no jantar. Até manda exemplo...

Copa Arena Juventude

Prefeitura de Fortaleza e Governo do Estado realizam primeira edição da CopArena da Juventude
A Prefeitura de Fortaleza e o Governo do Estado realizam, a partir deste sábado (30/04), a primeira edição da CopArena da Juventude, maior competição de futebol não profissional do Ceará. A solenidade de abertura será às 18h, na Areninha Thauzer Parente, no bairro Quintino Cunha e contará com a presença do governador Camilo Santana e do prefeito Roberto Cláudio. Os jogadores dos 312 times inscritos também participam da abertura e vão receber os uniformes oficiais para os jogos do campeonato.

A CopArena reúne 312 times e mais de seis mil atletas de todos os 119 bairros de Fortaleza e será dividida em três categorias: masculino adulto, feminino adulto e sub-17 masculino. O primeiro confronto será entre a Associação Esportiva Maria Clara e o Grêmio do Vila Velha. As disputas da Coparena vão até o dia 26 de junho. Além do jogo, neste sábado também haverá shows das bandas Forró Ilimitado e Samba Brasil.

Um dos times inscritos é o Pegasus Esporte Clube, projeto social inaugurado pelo professor Clemilson Pessoa há 25 anos, no Quintino Cunha. O local dos treinamentos do grupo é no próprio equipamento reformado e transformado em Areninha pela Prefeitura de Fortaleza.      

“A Areninha Thauzer Parente veio ajudar demais, melhorando a nossa parte técnica, algo que a gente tinha dificuldade. Ficou muito bom para nós. Com o campo sintético, a gente pode cobrar mais do atleta”, revela o treinador.

Serviço
Abertura CopArena
Data: 30.04.2016 (sábado)
Local: Areninha Thauzer Parente (Rua Pedro Sampaio, 416 – Quintino Cunha)
Horário: 16 horas

Peçam e lhes será dado.

Prefeitura anuncia programa Recicla Fortaleza e entrega ecoponto no bairro Edson Queiroz
O prefeito Roberto Cláudio vai lançar, neste sábado (30/04), às 9 horas, a primeira etapa do programa Recicla Fortaleza, que vai dar crédito na conta de energia pela troca de resíduos recicláveis na cidade. Além de apresentar todos os detalhes da iniciativa, o prefeito também vai entregar o Ecoponto Advogado Marco Antônio Forte, que fica na Rua Hill de Moraes com Rua Vereador José Batista Barbosa, no bairro Edson Queiroz (Regional VI). As secretarias municipais também estarão engajadas em mais uma edição do projeto Maior Limpeza, com blitze de educação ambiental em vias e bairros da cidade, com o objetivo de conscientizar quanto ao descarte correto dos resíduos sólidos.

Com o Recicla Fortaleza e a implantação de Ecopontos, a Prefeitura de Fortaleza incentiva cada vez mais o descarte seletivo de resíduos sólidos e proporciona um comportamento sustentável na cidade, por meio de uma gestão preventiva e educativa, fundamentada no oferecimento de serviços adequados às necessidades da população.

Projeto Maior LimpezaO Projeto Maior Limpeza vai envolver todas as secretarias da gestão municipal, de 08h30 às 13h, na realização de uma grande blitze de educação ambiental em vias e bairros da cidade. O objetivo do Maior Limpeza, lançado em novembro de 2015, é conscientizar toda a população quanto ao descarte correto dos resíduos sólidos, além de distribuir mudas de espécies nativas e frutíferas, incentivando o cuidado com o verde. O projeto Maior Limpeza é realizado mensalmente pelos órgãos da administração pública municipal e, neste sábado, ocorrerá nos seguintes locais:

- Rua Hill de Moraes x Rua Vereador José Batista Barbosa –Edson Queiroz (Regional VI)
- Av. Leste-Oeste x Av. Dr. Theberge – Pirambu (Regional I)
- Av. Santos Dumont x Praça Dom Hélder Câmara – Praia do Futuro (Regional II)
- Av. Osório de Paiva x Av. Perimetral – Granja Portugal (Regional V)

ServiçoLançamento do Recicla Fortaleza e entrega do Ecoponto Advogado Marco Antônio Forte
Data: 30 de abril de 2016 (sábado)
Local: Rua Hill de Moraes x Rua Vereador José Batista Barbosa – Edson Queiroz (Regional VI) – fica por trás da Unifor e próximo à ESMEC
Horário: 09h

Opinião

Educação
 
 Concordamos com a ideia de que a educação deve ser proporcionada a todos por constituir um direito e uma condição para o pleno desenvolvimento da pessoa humana. Além de ser um direito, a educação também é um dos principais fatores, senão o mais importante, para o progresso ordenado de um país. É fundamental que as nações entendam, em primeiro lugar, que a educação não é um gasto,  mas um investimento. Em segundo lugar, este é um investimento de longo prazo que deve expressar o compromisso de gerações e ser elevado a um projeto de Estado Democrático, para além das divergências partidárias das forças políticas que momentaneamente ocupam os papéis de governo e oposição, ou seja, a educação não deve ser um programa de Governo, mas de Estado. Ademais, deve-se buscar a articulação dos diversos atores sociais, somando esforços de governos, setores empresariais e trabalhistas e da sociedade civil em geral. Há uma evidente correlação entre os níveis educacionais, cognitivos e comportamentais, das populações e o desenvolvimento dos países. Este entendimento levou à adoção da educação como um dos fatores na concepção do conhecido IDH – Índice de Desenvolvimento Humano, que       tem orientado as políticas públicas em vários países e constituído importante indicador de avaliação de seus acertos ou insuficiências. Resta, pois, o passo mais difícil — transformar a retórica em ações concretas e priorizar os investimentos no setor educacional, nas múltiplas dimensões do acesso, da equidade e da qualidade. Eis o verdadeiro desenvolvimento humano.
 
Gonzaga Mota
Professor aposentado da UFC-Ex Governador do Ceará e meu amigo
 

Encruzilhadas da vida

Claudio Pinho
Parece que foi ontem mais já se passaram 04 anos da partida de meu pai. Muita saudade. Ele mesmo Barros Pinho, o poeta, o político, o amigo, ou simplesmente pai.....
Marcos Luiz Melo Grande Zé Maria, meu conterrâneo e amigo.
José Rangel
José Rangel É verdade, amigo Cláudio. O pai, o político, o poeta, o brilhante orador e a notável figura humana do Barros Pinho fazem realmente muita falta.
Corrinha Ribeiro
Corrinha Ribeiro Nosso amigo inseparável, Claudinho !!!!
Pompeu Macario Batista

Escreva uma resposta...

Pompeu Macario Batista
Pompeu Macario Batista Conto uma historinha; posso? Autorizado, lá vai. Conversavam na sala de despachos da Embaixada do Brasil, em Lisboa, sala emoldurada de livros e quadros históricos, o professor Paulo Bonavidades, o poeta Barros Pinho, naquele instante vaidoso estudante de direito e este humilde repórter vaidoso maior por estar entre os dois. Barros queria puxar aprendizados de direito e os colocava como que a pedir anuência ao grande mestre do Direito COnstitucional Paulo Bonavides. Vínhamos de uma palestra fabulosa de Bonavides na Universidade de LIsboa e de um encontro com J.J.Gomes Canitilho, monstro sagrado da mesma secção de direito. Eu os observava atento quando Bonavides diz pra Barros Pinho: Seu conceito sobre o direito está muito bom. Os olhos de Barros brilharam como de menino que ganha uma cocaca ou um tijolim de leite. E quando Bonavides levantou para completar a taça do rouge de Paes de Andrade, não resistiu e cochichou pra mim: - CÊ viu o que ele disse pra mim, cê viu? E seus olhos eram laços e seu sorriso era apaixonado e sua voz era meiga. Meiga como quem agradece à amante o primeiro beijo. Eu vi. Eu estava lá.

Globo foi pra "cesta" secção do The Guardian

Rede Globo pede direito de resposta ao The Guardian e leva fora

Depois de ser citada em texto do The Guardian que trata do que está por trás do impeachment de Dilma Rousseff no Brasil, a Rede Globo exigiu um direito de resposta, mas recebeu o desprezo do jornal britânico

the guardian globo bonner marinho
William Bonner, editor-chefe do Jornal Nacional, telejornal de maior audiência do Brasil. Seu patrão, João Roberto Marinho, está incomodado com a repercussão internacional do impeachment

A publicação de um artigo de David Miranda no jornal britânico The Guardian provocou (leia o texto abaixo) forte reação das Organizações Globo.
Por meio de seu vice-presidente, João Roberto Marinho, o grupo Globo insistiu para que o jornal publicasse uma resposta ao texto, dizendo que jamais houve apoio ao processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.
O The Guardian tratou a Globo de uma maneira que a emissora não está acostumada no Brasil: com desprezo.
Na ânsia de produzir uma contra-narrativa ao texto do The Guardian, o poderoso executivo da Globo enviou sua opinião, numa tentativa de rebater os elementos apontados no jornal britânico. O texto de Marinho, no entanto, foi relegado à singela caixa de comentários do jornal e não foi publicado.
Em seu texto “A razão real que os inimigos de Dilma Rousseff querem seu impeachment”, Miranda apresenta ao mundo os interesses que estão por trás do golpe em curso no Brasil. Entre eles, o da mídia, setor extremamente concentrado no país.
Desde o início do processo de impeachment de Dilma, outros diversos veículos internacionais denunciaram o golpe em curso no Brasil e manifestaram preocupação com a condução do caso por Eduardo Cunha (PMDB).
Ps.: No jornal O Globo, dois textos desmentem a tese de Marinho de que a Globo não apoia o impeachment. São os editoriais intitulados “O impeachment é uma saída institucional da crise” e “Tempo no impeachment corre contra o país”. A cobertura enviesada do Jornal Nacional, comandado por William Bonner, também é um elemento que merece destaque.
Abaixo, leia a íntegra do texto que enfureceu a família Marinho:

“A razão pela qual os inimigos de Dilma querem seu impeachment”
A história da crise política no Brasil, e a mudança rápida da perspectiva global em torno dela, começa pela sua mídia nacional. A imprensa e as emissoras de TV dominantes no país estão nas mãos de um pequeno grupo de famílias, entre as mais ricas do Brasil, e são claramente conservadoras. Por décadas, esses meios de comunicação têm sido usados em favor dos ricos brasileiros, assegurando que a grande desigualdade social (e a irregularidade política que a causa) permanecesse a mesma.
Aliás, a maioria dos grandes grupos de mídia atuais – que aparentam ser respeitáveis para quem é de fora – apoiaram o golpe militar de 1964 que trouxe duas décadas de uma ditadura de direita e enriqueceu ainda mais as oligarquias do país. Esse evento histórico chave ainda joga uma sombra sobre a identidade e política do país. Essas corporações – lideradas pelos múltiplos braços midiáticos das Organizações Globo – anunciaram o golpe como um ataque nobre à corrupção de um governo progressista democraticamente eleito. Soa familiar?
Por um ano, esses mesmos grupos midiáticos têm vendido uma narrativa atraente: uma população insatisfeita, impulsionada pela fúria contra um governo corrupto, se organiza e demanda a derrubada da primeira presidente mulher do Brasil, Dilma Rousseff, e do Partido dos Trabalhadores (PT). O mundo viu inúmeras imagens de grandes multidões protestando nas ruas, uma visão sempre inspiradora.
Mas o que muitos fora do Brasil não viram foi que a mídia plutocrática do país gastou meses incitando esses protestos (enquanto pretendia apenas “cobri-los”). Os manifestantes não representavam nem de longe a população do Brasil. Ao contrário, eles eram desproporcionalmente brancos e ricos: as mesmas pessoas que se opuseram ao PT e seus programas de combate à pobreza por duas décadas.
Aos poucos, o resto do mundo começou a ver além da caricatura simples e bidimensional criada pela imprensa local, e a reconhecer quem obterá o poder uma vez que Rousseff seja derrubada. Agora tornou-se claro que a corrupção não é a razão de todo o esforço para retirar do cargo a presidente reeleita do Brasil; na verdade, a corrupção é apenas o pretexto.
O partido de Dilma, de centro-esquerda, conseguiu a presidência pela primeira vez em 2002, quando seu antecessor, Lula da Silva, obteve uma vitória espetacular. Graças a sua popularidade e carisma, e reforçada pela grande expansão econômica do Brasil durante seu mandato na presidência, o PT ganhou quatro eleições presidenciais seguidas – incluindo a vitória de Dilma em 2010 e, apenas 18 meses atrás, sua reeleição com 54 milhões de votos.
A elite do país e seus grupos midiáticos fracassaram, várias vezes, em seus esforços para derrotar o partido nas urnas. Mas plutocratas não são conhecidos por aceitarem a derrota de forma gentil, ou por jogarem de acordo com as regras. O que foram incapazes de conseguir democraticamente, eles agora estão tentando alcançar de maneira antidemocrática: agrupando uma mistura bizarra de políticos – evangélicos extremistas, apoiadores da extrema direita que defendem a volta do regime militar, figuras dos bastidores sem ideologia alguma – para simplesmente derrubarem ela do cargo.
Inclusive, aqueles liderando a campanha pelo impeachment dela e os que estão na linha sucessória do poder – principalmente o inelegível Presidente da Câmara Eduardo Cunha – estão bem mais envolvidos em escândalos de corrupção do que ela. Cunha foi pego ano passado com milhões de dólares de subornos em contas secretas na Suíça, logo depois de ter mentido ao negar no Congresso que tivesse contas no exterior. Cunha também aparece no Panamá Papers, com provas de que agiu para esconder seus milhões ilícitos em paraísos fiscais para não ser detectado e evitar responsabilidades fiscais.
É impossível marchar de forma convincente atrás de um banner de “contra a corrupção” e “democracia” quando simultaneamente se trabalha para instalar no poder algumas das figuras políticas mais corruptas e antipáticas do país. Palavras não podem descrever o surrealismo de assistir a votação no Congresso do pedido de impeachment para o Senado, enquanto um membro evidentemente corrupto após o outro se endereçava a Cunha, proclamando com uma expressão séria que votavam pela remoção de Dilma por causa da raiva que sentiam da corrupção.
Como o The Guardian reportou: “Sim, votou Paulo Maluf, que está na lista vermelha da Interpol por conspiração. Sim, votou Nilton Capixaba, que é acusado de lavagem de dinheiro. ‘Pelo amor de Deus, sim!’ declarou Silas Câmara, que está sob investigação por forjar documentos e por desvio de dinheiro público.”
Mas esses políticos abusaram da situação. Nem os mais poderosos do Brasil podem convencer o mundo de que o impeachment de Dilma é sobre combater a corrupção – seu esquema iria dar mais poder a políticos cujos escândalos próprios destruiriam qualquer carreira em uma democracia saudável.
Um artigo do New York Times da semana passada reportou que “60% dos 594 membros do Congresso brasileiro” – aqueles votando para a cassação de Dilma- “enfrentam sérias acusações como suborno, fraude eleitoral, desmatamento ilegal, sequestro e homicídio”. Por contraste, disse o artigo, Rousseff “é uma espécie rara entre as principais figuras políticas do Brasil: Ela não foi acusada de roubar para si mesma”.
O chocante espetáculo da Câmara dos Deputados televisionado domingo passado recebeu atenção mundial devido a algumas repulsivas (e reveladoras) afirmações dos defensores do impeachment. Um deles, o proeminente congressista de direita Jair Bolsonaro – que muitos esperam que concorra à presidência e em pesquisas recentes é o candidato líder entre os brasileiros mais ricos – disse que estava votando em homenagem a um coronel que violou os direitos humanos durante a ditadura militar e que foi um dos torturadores responsáveis por Dilma. Seu filho, Eduardo, orgulhosamente dedicou o voto aos “militares de 64” – aqueles que lideraram o golpe.
Até agora, os brasileiros têm direcionando sua atenção exclusivamente para Rousseff, que está profundamente impopular devido à grave recessão atual do país. Ninguém sabe como os brasileiros, especialmente as classes mais pobres e trabalhadoras, irão reagir quando virem seu novo chefe de estado recém-instalado: um vice-presidente pró-negócios, sem identidade e manchado de corrupção que, segundo as pesquisas mostram, a maioria dos brasileiros também querem que seja cassado.
O mais instável de tudo é que muitos – incluindo os promotores e investigadores que tem promovido a varredura da corrupção – temem que o real plano por trás do impeachment de Rousseff é botar um fim nas investigações em andamento, assim protegendo a corrupção, invés de puni-la. Há um risco real de que uma vez que ela seja cassada, a mídia brasileira não irá mais se focar na corrupção, o interesse público irá se desmanchar, e as novas facções de Brasília no poder estarão hábeis para explorar o apoio da maioria do Congresso para paralisar as investigações e se protegerem.
Por fim, as elites políticas e a mídia do Brasil têm brincado com os mecanismos da democracia. Isso é um jogo imprevisível e perigoso para se jogar em qualquer lugar, porém mais ainda em uma democracia tão jovem com uma história recente de instabilidade política e tirania, e onde milhões estão furiosos com a crise econômica que enfrentam.