segunda-feira, 20 de maio de 2019

Resgate dramático na fronteira do Trump


Fotos mostram resgate dramático de menino na fronteira México-EUA

Uma sequência de fotos mostra o resgate dramático de um menino hondurenho de 7 anos no rio Grande, na cidade texana de Eagle Pass, na fronteira entre Estados Unidos e México.

De acordo com o jornal “San Antonio Express News“, o menino estava em um grupo de nove pessoas, entre elas cinco crianças, que foi resgatado naquele dia pelos guardas da fronteira. O resgate ocorreu no dia 10 de maio.
Nas imagens registradas pelo fotógrafo Bob Owen, divulgadas pela agência Associated Press, é possível ver todo o drama da ação dos agentes, que segundo o jornal, não costumam intervir para retirar imigrantes do rio, a não ser que alguém esteja correndo perigo.

Missa do dia 20-Agora em Juazeiro do Norte

Romeiro do dia 20 não larga a fé e volta a homenagear Padre Cicero. Sua morte foi a 20 de julho e dali pra ca´, desde 1934, essa missa é celebrada no pátio da Igreja do Socorro onde estão seus restos mortais. A foto é do Roberto Bulhões.


MArtinho da Vila cantou sexta feira em Paris

"Está difícil ter orgulho de ser brasileiro", diz Martinho da Vila, antes de show em Paris 

Por
 
Martinho da VilaDivulgação

“As mudanças do mundo foram feitas pelos otimistas”, profetiza, aos 81 anos, o sambista Martinho da Vila. E como as oito décadas de vida não abalaram o otimismo do cantor, é essa a mensagem que ele transmite em sua turnê pela Europa, que celebra seus 50 anos de carreira. Depois de passar pela Irlanda e por Portugal, Martinho aporta na França, onde se apresenta no La Cigale, em Paris, nesta sexta-feira (17). No show, grandes sucessos e músicas do novo CD, Bandeira da Fé.

Por Andréia Durão, especial
O artista explica que a “fé”, no título do novo álbum, não tem nenhuma conotação religiosa, mas sim o sentido “de acreditar que as coisas podem mudar”. “O cara que é pessimista não faz nada, ele não tem fé. Eu sou positivo e acho que o Vasco da Gama, apesar de estar na lanterna do Campeonato Brasileiro, vai ser campeão deste torneiro”, conta o cantor, dando mesmo grande exemplo de pensamento positivo. 
Mas nem só de otimismo fala o novo disco de Martinho. Bandeira da Fé celebra também o carnaval, as mulheres da sua vida, a cultura negra, se revelando um testemunho da carreira e da vida do cantor e compositor.
As celebrações em torno do aniversário começaram ano passado, com o lançamento do livro “2018 - Crônicas de um ano atípico”, em que Martinho escreve sobre a derrota da seleção brasileira na Copa do Mundo, as eleições presidenciais, sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e sobre sua visita com Chico Buarque ao ex-presidente Lula, na prisão, em Curitiba. Um cenário muito diverso daquele que o sambista esperava encontrar nesta fase da sua vida.
“O Brasil sempre foi visto como o país do futuro. E isso continuou até 2010, com o governo Lula. Agora tivemos uma regressão, mas ainda acredito que vamos chegar lá”, revela ele, nada desanimado.  
Seja no disco, seja no livro, seja na própria vida, o samba é um capítulo maior para Martinho. É a música do morro, das favelas, dos desfavorecidos. E, em sua opinião, o ritmo continua cumprindo esse papel no combate social das minorias. “O samba é uma música de sentimento. As composições mais tradicionais sempre trazem uma mensagem, falam da realidade do morro, da falta de emprego, da vida difícil, dos problemas para manter a família, sempre fazendo um relato da vida social do brasileiro”, explica.
Em 1974, dez anos após o golpe militar, foi de Martinho a sugestão Aruanã-Açu, para sua escola de samba, a Vila Isabel. Enredo sobre a tribo dos Carajás e a ameaça aos povos indígenas. O sambista lamenta que, passados 45 anos, a censura e essa ameaça aos índios estejam de volta ao cenário do País. “Quando a gente pensava que as cabeças mudaram, que estava tudo avançando, rola uma tristeza geral, está difícil ter orgulho de ser brasileiro”, lamenta.
Um eterno candidato à ABL
Apesar de festejar seus 81 anos com saúde, em mais uma turnê internacional e fazendo o que ama - fazendo samba, cantando, fazendo os outros sambar -, o músico ainda não abre mão de uma cadeira na Academia Brasileira de Letras. E explica que já pode ter alcançado a imortalidade pelo reconhecimento e admiração de seu público, mas que conquistar a vaga na academia significa garantir a representatividade do negro em todas as esferas.
“Como diria o Candeia, o sambista não precisa de academia. Mas a Academia (Brasileira de Letras) é importante porque precisamos ocupar os espaços, temos que estar em todos os lugares. Seja no âmbito do governo estadual, seja no âmbito do governo nacional, “a foto” não tem a cara do Brasil, porque não tem nenhum negro nessa foto”, enfatiza o também escritor Martinho da Vila.

Destaque na França e no mundo evangélico

Eleição de Bolsonaro é prova da influência da onda evangélica no mundo, escreve Libération

media Capa com a reportagem especial de Libération sobre os evangélicos no mundo: "quando a fé faz a lei". RFI
Na resenha da imprensa francesa deste fim de semana destaque para uma reportagem especial do Libération sobre os evangélicos no mundo: “Quando a fé faz a lei.” O jornal progressista faz um panorama da situação de Washington a Seul, passando por Brasília, onde o forte lobby dos evangélicos cresceu muito nos últimos anos e funciona.
O jornal progressista usa como exemplo a severa lei sobre o aborto, adotada nesta semana no Alabama, para falar da influência "preocupante" dessas "igrejas conservadoras" em vários países do mundo. “Deus como o grande guia da política” é o grande sonho dos evangélicos, principalmente os mais conservadores. E em alguns países este sonho está virando realidade, constata o jornal.
Nos Estados Unidos, a presidência de Trump é uma época abençoada para os lobistas da bíblia. Vários conselheiros do presidente americano são adeptos da "revolução teoconservadora". O mais famoso deles, é o vice-presidente Mike Pence, um ex-católico que se converteu na juventude ao protestantismo.
Libération diz que a era Trump revela um certo paradoxo. Nunca os hábitos de um presidente, divorciado duas vezes e que frequenta a igreja mais por oportunismo do que por fé, se afastou tanto dos valores cristãos conservadores. Mas ao mesmo tempo, nunca a influência da direita religiosa foi tão marcante nos pais.
Movimento pentecostal faz Igreja Católica vacilar
A corrente protestante mais ofensiva é a pentecostal, a renovação evangélica que surgiu em 1906 na Califórnia. O movimento pentecostal vive uma expansão mundial que faz vacilar a Igreja Católica em seus redutos tradicionais, como na América Latina onde ele é um fenômeno, informa a reportagem.
Mesmo se os Estados Unidos são o navio-almirante, países como o Brasil se transformaram em potências missionarias, suplantando há cerca de 15 anos as missões de evangelização americanas enviadas aos quatro cantos do planeta. Na América Latina, a influência política pentecostal e evangélica , religiões que representam entre 15% e 40% da população de acordo com o pais, é visível.

“O Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”
A eleição do brasileiro Jair Bolsonaro, em 28 de outubro do ano passado, é, na opinião de Liberation, “a demonstração clara do poder político conquistado pelos cristãos conservadores no Brasil”. O texto lembra o lema de campanha de Bolsonaro, “o Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, e diz que mesmo se o presidente brasileiro de extrema direita se diz católico, sua mulher frequenta uma igreja evangélica.
Para sua vitória, o brasileiro se beneficiou do apoio importante de Edir Macedo, o fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, um império colossal midiático-religioso pentecostal, fundado em 1977, que reivindica oito milhões de adeptos e está presente até na França. Libération ressalta que apesar de seu sucesso, a Universal é contestada pelo evangélicos de esquerda, principalmente devido a promoção que ela faz da "teologia da prosperidade", que permitiu o enriquecimento dos pastores e o incentivo a um liberalismo econômico desenfreado.

Jerusalém
Nesses movimentos religiosos, que também prosperam na Coreia do Sul, a política não existe sem teologia. Em dezembro de 2016, eles obtiveram um triunfo com a decisão de Donald Trump de transferir para Jerusalém a embaixada dos Estados Unidos em Israel.
“Na ideologia e no imaginário político desses cristãos, Israel ocupa um lugar central, essencialmente por razões teológicas e escatológicas”, analisa o artigo. Como eles acreditam no fim do mundo, eles esperam a volta de Cristo “que só retornará, segundo a crença, se todos os judeus estiverem em Israel.” Isso explica, segundo Libération, “a apoio incondicional dos protestantes evangélicos ao Estado Hebreu e a vontade deles de influir, cada vez mais, sobre a geopolítica mundial”.

Foguetório

O Fortaleza virou em Chapecó e sapecou 3 a 1 na Chape.
O Ceará puxou o carro pra cima do Grêmio e deu-lhe de dois a um.
Imagina se a moda de vencer pega nesses times cearenses.
Eita!

Opinião

Não haverá paz com armas
Por Rossana Brasil Kopf
 
Não haverá paz, enquanto o sofrimento se tornar estrada. Não haverá esperança enquanto a árvore apreciada seja a alimentada por nutriente de discórdia. Não haverá alegria enquanto a banda que passa seja regida pelo maestro da tristeza. A paz é fruto de exercício pessoal diário, na atitude pacífica no âmbito familiar. Não há como conceber paz com violência doméstica, maus-tratos, fome, alcoolismo, falta de escolaridade, com políticos corruptos ( poucos os honestos).

Portanto, a paz passa também por ações governamentais, políticas públicas que proporcionem condições mínimas de uma vivência digna, com perspectiva de futuro para as novas gerações, geração de emprego para a população jovem e adulta, pela não discriminação do idoso ou do diferente, incluindo nestas diferenças, a religião, a raça, a opção sexual, o portador de necessidades especiais, o obeso, o índio, o estrangeiro. Há que ser percebido que a diferença enriquece, acrescenta e aprimora . Não vejo esses políticos brigando pelo nosso pobre Ceará . Estamos cada vez mais sem educação e saúde. Enfim, estamos esquecidos .

A inveja é a mãe das maldades, pois através de sua ação, o homem é capaz de produzir estórias que não são verdades, e são potencializadas pela força do vento da mentira com a finalidade de sacrificar o agredido.

Todos os dias encontramos, não muito distante de qualquer lugar que procure estar, um lugar de calvário e sacrifício na vida de alguém, que se perdeu por caminhos desencontrados e não encontrou a si mesmo, basta andar nas praças de Fortaleza, a miséria estampada em cada olhar , a miséria do álcool e outras drogas.
Somente a esperança Divina será capaz de confortar o que de fato é preparado por nós mesmos, com o intuito inicial de vencer em batalhas desiguais contra mais fracos e destituídos de vida.

Matar não se faz necessário o uso de armas; matar não significa usar um pouco de veneno, mas fazer com que as palavras impensadas sejam capazes de atingir em maior grau a dignidade de um cidadão.As armas legalizadas vão trazer assassinatos para muitos inocentes. As armas vão destruir um projeto de paz .

Quantos procuram um pouco de paz e apenas encontram os desencantos, quantos são ofendidos por se sentirem atingidos pela intolerância, descriminação, que faz parte do cotidiano do que se diz dono da bola.
Às vezes estes são os que mais sofrem, por terem que pagar em vida um pouco de seus erros, para reconhecerem que a vida é mais forte em decorrência de que a lei do retorno é apenas a ponta de um grande iceberg.
Ninguém vive a alegria permanente sem que possa compartilhar, ninguém faz os seus canteiros de flores sem antes ouvir uma opinião de um jardineiro.
Quando a oração confortar o seu coração é porque esta foi de fato realizado com a certeza absoluta de que o oráculo da verdade estava depositada em seu coração.
O Brasil terá um retrocesso em nome da paz com armas nas mãos, essa é minha opinião.

É conspiração ou só teoria?

Barraco de Joice Hasselmann revela mentira de Bolsonaro

Por: Gilberto Dimenstein |


Jair Bolsonaro acusa o “Sistema ” de impedir que ele governe.

O “Sistema” – que, aliás, ele não define – estaria exigindo conchavos.

Esse “Sistema” é uma mentira – uma teoria conspiratória.

Apenas uma desculpa

Mais simples e concreto seria Bolsonaro culpar-se pela falta de habilidade em negociar no Congresso.

Afinal, regime democrático exige negociação.

Um prova dessa mentira é bem visível: Joice Hasselmann, escolhida para ser líder do governo no Congresso, nunca teve experiência parlamentar. E nem tem perfil para ser líder.

Prova disso é que ela gera mais conflitos do que soluções.

Os líderes de Bolsonaro são inexperientes, amadores e incompetentes.

Basta ver seu último barraco digital dentro do próprio partido.

Joice Hasselmann e Carla Zambelli, deputadas eleitas pelo PSL, trocaram acusações por meio do Twitter. O desentendimento recente começou na noite desta sexta-feira, 17.

Carla afirmou que falta empenho a Joice, que é líder do governo no Congresso, na defesa das reformas e dos interesses do presidente e do ministro da Justiça, Sergio Moro. Joice, por sua vez, insinuou que a correligionária é burra.

Carla Zambelli
@CarlaZambelli17

O Presidente @jairbolsonaro disse hj q "a mudança na forma de governar não agrada aqueles grupos q no passado se beneficiavam das relações pouco republicanas".

A MP 870 sofreu grave ataque na comissão, e pergunto: a líder @joicehasselmann não fala nada disso em suas redes, pq?
7.488
23:06 - 17 de mai de 2019

Joice Hasselmann @joicehasselmann

Pq eu - ao contrário de vc - penso no bem do país e do governo @jairbolsonaro. Pq eu sei fazer conta, conheço matemática básica e logo sei que SEM A MAIORIA NÃO SE APROVA NADA. Pq eu estou preocupada com o país e ñ com curtidas em tuítes ou lives. Pq eu sou inteligente, já vc...

Resgate dramático na fronteira do Trump

Fotos mostram resgate dramático de menino na fronteira México-EUA ...